MS superou a marca de 5 mil novos empregos em março

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Setor de serviços foi o que mais contratou no Estado, de acordo com dados do Caged 

Mato Grosso do Sul apresentou saldo positivo na geração de empregos, com saldo de 5.152 postos de trabalho formais no último mês, conforme os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado hoje (28) pelo Ministério da Economia.

De acordo com o levantamento, em março, foram contratados 23.867 trabalhadores com carteira assinada, enquanto 18.715 foram demitidos, perdendo no saldo positivo.

No Estado, setor de atividade econômica que mais contribuiu para o resultado positivo foi o de serviços, com 2.555 novas vagas, seguido por comércio (958), agropecuária (798), indústria (574) e construção (267).

Entre os municípios, Campo Grande foi o que mais contratou, com saldo de 1.327 vagas, seguido por Chapadão do Sul (318), Dourados (292), Costa Rica (257) e Três Lagoas (226).

As cidades que mais fecharam postos de trabalho são Bataguassu (-71), Vicentina (-62), Juti (-34), Deodápolis (-12) e Paranaíba (-10).

No acumulado dos últimos 12 meses, Mato Grosso do Sul contabilizada saldo de 15.074 postos de trabalho.

No ranking nacional, Mato Grosso do Sul é o 11º estado com melhor resultado na geração de empregos.

Últimas notícias

NACIONAL 

O Brasil gerou 184.140 postos de trabalho em março deste ano, resultado de 1.608.007 admissões e 1.423.867 desligamentos de empregos com carteira assinada, conforme o Caged. 

O resultado foi comemorado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele acredita que, com a vacinação da população contra Covid-19, o país está retomando o crescimento econômico sustentável.

No mesmo mês do ano passado, no início do impacto da pandemia do novo coronavírus na economia, foram fechadas 276.350 vagas formais.

“Ao contrário da primeira onda [da pandemia de Covid-19 que nos atingiu no ano passado e destruiu 276 mil empregos em março, a nossa reação à segunda onda, agora, foi a criação de 184 mil novos empregos no setor formal”, pontuou em coletiva. 

No acumulado de 2021, foi registrado saldo de 837.074 empregos, decorrente de 4.940.568 admissões e 4.103.494 desligamentos até março.