Em MS, ‘Fura-filas’ da vacina podem ser multados em até R$ 88 mil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (Alems) aprovou, nesta terça-feira (2), o projeto de lei 14/2021, que tem o objetivo de penalizar os chamados “fura-filas” da vacina contra o novo coronavírus (Covid-19).  

A multa é regulada pela  Uferms (Unidade Fiscal de Referência de Mato Grosso do Sul) e quem infringir a fase cronológica definida no plano nacional e/ou estadual de imunização pode ser multado em até 650 Unidades Fiscais que na cotação de hoje pode chegar a R$ 88 mil.

O projeto é de autoria do deputado Barbosinha (DEM) e teve 20 votos a favor e nenhum contrário. Segundo o texto, a penalidade aumenta se a pessoa que for imunizada no lugar de outra for servidora ou gestora pública.  

Em Mato Grosso do Sul, o Ministério Público Estadual (MPMS) investiga diversos casos, sendo que entre eles, está o do prefeito de Nioaque e presidente da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), Valdir Couto de Souza Junior (PSDB).  

Ele teve uma foto divulgada nas redes sociais em que ele recebia o imunizante.

Registro

O Brasil registrou pelo menos 4,7 mil denúncias de fura-filas desde o início da vacinação contra a Covid-19, que começou em 17 de janeiro.  

Os dados foram levantados pelo programa ‘Profissão Repórter’, da TV Globo, com base nas reclamações recebidas pelos Ministérios Públicos Estaduais e pela Ouvidoria Nacional do Ministério Público. Apenas os MPs de Minas Gerais e Paraná não disponibilizaram os dados.

Ainda de acordo com a reportagem, o número de denúncias é ainda mais alto em todo o país, já que elas também podem ser feitas em outros órgãos, como nas ouvidorias dos governos dos estados e nas secretarias de saúde.