Com processo de privatização atrasado, MSGÁS tem lucro de R$ 84 milhões em 2020

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

A companhia de Gás de Mato Grosso do Sul, administrada pelo governo do Estado, que detém 51% da participação na empresa, alcançou lucro recorde de R$ 84 milhões em 2020. Enquanto isso, o processo de privatização da MSGÁS sofre mais um atraso.

O resultado foi apresentado em relatório integrado apresentado na segunda-feira (22). Em carta aos acionistas, a direção da empresa afirma que teve aumento de 587 clientes no ano passado, alcançando 10.616 unidades consumidoras, apesar da pandemia. “Nossa rede cresceu 22,05 quilômetros em relação ao ano anterior e nosso lucro superou R$ 84 milhões, ou seja, quase 106% maior do que em 2019”, afirma o documento.

Assim, nos últimos 4 anos, a MSGÁS soma lucros de R$ 153,4 milhões.

Apesar do avanço no lucro, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) colocou a companhia em processo de privatização. Então, há dois caminhos: a venda da participação de 51% do Estado ou uma PPI (Programa de Parceria de Investimentos), em que uma empresa privada faz investimentos na companhia em troca da exploração dos serviços.

Privatização da MSGÁS

Conforme o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que acompanha todo o processo, o prazo para encerramento dos estudos técnicos que vão definir os parâmetros da privatização era para o fim de dezembro de 2020, mas atrasou. “Atualmente, o prazo previsto para encerramento do projeto é o primeiro trimestre de 2021”, informou.

Entretanto, o projeto depende de fatores externos com o processo de privatização das Gaspetro, braço da Petrobras que atua no segmento de gás natural.

Com as mudanças no cenário, todos os prazos do projeto ficam em aberto. Até então, a previsão era de que até março deste ano seria concluída a consulta pública e aprovação dos órgãos de controle. Ainda no 1º semestre de 2021 estava previsto o lançamento do edital, para que, no início do 2º semestre fosse realizado o leilão e a assinatura de contrato com a empresa vencedora estava previsto para o fim do ano.

A contratação do consórcio responsável pelo estudo foi realizada em 2017. A previsão inicial era de que o leilão para privatização da MSGás ocorresse até o final de 2018. Entretanto, atraso na elaboração do documento mudou os planos.

Porém, o governo ainda aguarda o estudo, que irá indicar a venda ou a PPP (Parceria Público-Privada). “Se é a privatização, ou seja: a venda da MSGás, ou de uma parceria para investimentos em novos ramais de gasoduto”, explicou o secretário de desenvolvimento econômico, Jaime Verruck.