Setor supermercadista registra crescimento de 9% nas vendas em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O setor supermercadista registrou crescimento de 9,36% nas vendas em 2020, segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). 

Em Mato Grosso do Sul, a entidade que representa o segmento aponta que o resultado acompanhou o nacional. 

Para este ano, segundo a Associação Sul-Mato-Grossense de Supermercados (Amas), a projeção é mais tímida e a retomada deve ocorrer principalmente no segundo semestre.  

“Acreditamos que o nosso crescimento foi muito parecido com a média nacional. Tivemos grande impacto com a recessão, o aumento de preços e a falta de estoque em muitas ocasiões. Enfrentamos algumas dificuldades em abastecer as lojas também, o ano foi difícil”, explica o presidente da Amas, Edmilson Veratti.  

De acordo com o índice nacional de vendas da Abras, a alta real de 9,36% de janeiro a dezembro (descontando a inflação oficial de 4,52%) deu-se principalmente pelo comportamento do consumidor.

“Por ser atividade essencial e vender itens de primeira necessidade, o setor supermercadista foi bem impactado pela pandemia da Covid-19. Em razão das medidas de isolamento social, os brasileiros precisaram mudar seus hábitos, contribuindo com o aumento do consumo dentro do lar. 

Além disso, os estímulos concedidos pelo governo federal, como o auxílio emergencial, injetaram bilhões na economia, e boa parte desse montante foi gasta no setor”, explicou o vice-presidente da Abras, Márcio Milan, durante coletiva virtual.

Últimas notícias

Segundo a entidade estadual, a movimentação mensal no segmento é de R$ 480 milhões em Mato Grosso do Sul.

2021

Para este ano, a Abras projeta crescimento de 4,5% no setor. Veratti acredita que os resultados positivos ainda dependem de muitas variáveis para serem registrados em 2021.  

“A gente acredita que o primeiro semestre vai ser de baixo crescimento, mas depende também da volta do auxílio emergencial, que deve impactar na renda das pessoas e nas vendas para o setor. Para o segundo semestre, a expectativa é voltar a crescer e ter uma retomada de fato”, analisa o presidente da Amas.

Outro fator que deve impactar na retomada da ascensão é o avanço da vacinação.

“Estamos otimistas com o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil e com a condução da agenda econômica administrada pelo ministro [da Economia] Paulo Guedes, com foco na redução de gastos públicos e na viabilização das importantes reformas estruturais, como a tributária e a administrativa, de que tanto dependem a retomada e o crescimento da nossa economia”, destaca Milan.

INFLAÇÃO

Ainda segundo o indicador do setor, as vendas de dezembro avançaram 18,13% em relação a novembro, e, quando comparadas ao mesmo período de 2019, o crescimento foi de 11,54%.

A economista do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Fecomércio-MS (IPF-MS), Daniela Dias, acredita que o fim do ano estimulou mais as pessoas a consumir.

“Em termos de volume, faz sentido por causa daquela trajetória de alteração de comportamento das pessoas. E também no fim do ano a gente percebeu isso, porque as pessoas estavam mais em casa e ainda existem os que continuam em home office. 

A alimentação e a higiene, por exemplo, tiveram esse aumento de demanda diferenciado. Eu acredito no aumento de volume, mas principalmente em termos de receita nominal, quando a gente desconsidera a inflação”, explica e complementa.  

“A inflação pode, sim, ter contribuído com o aumento do volume comercializado, mas em termos reais a gente pode ter tido esse aumento dado o comportamento das pessoas. E essa alteração de comportamento tem prevalecido”, conclui Daniela.

Para o presidente da Amas, a inflação oficial em 2020 não representa a realidade do setor de alimentos. 

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aponta aumento dos produtos e alimentos em Campo Grande nos últimos oito meses. 

No acumulado de 2020, a inflação da Capital foi a 6,85%. Em dezembro, a taxa foi de 1,51%, e, em janeiro, o índice foi de 0,53%.

“Isso derrubou um pouco o crescimento do setor. Por exemplo, o arroz dobrou de preço, e a gente pode até ter vendido mais em valor, mas não em volume, porque os preços subiram demais. Em um mês o arroz custava R$ 12 e depois R$ 24, o óleo de soja saiu de R$ 2,99 para R$ 7, então foi um ano difícil”, considera Veratti.  

O vice-presidente da Abras também considera que 2020 foi um ano de desafios para o setor. 

“Mesmo com os números positivos, o ano passado foi desafiador para o setor supermercadista, que viu seu custo operacional subir por conta da alta do dólar, da inflação e da reestruturação das lojas para garantir os protocolos de segurança de colaboradores e clientes”, completou Milan.

De acordo com o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), no acumulado de 2020 a cesta básica de Campo Grande registrou alta de 28,08%. 

O principal produto que puxou a elevação de preços no ano foi o óleo de soja, que subiu 108,71%, seguido do arroz, que registrou alta de 85,09%, e da batata, com aumento de 83,08%.