Reajuste dos professores impacta em R$ 143,5 milhões nos municípios de MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

piso professor

Confirmado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, o reajuste de 12,84% do piso salarial do magistério para 2020 deve impactar em R$ 143,5 milhões no orçamento dos municípios de Mato Grosso do Sul. O valor mínimo da remuneração dos professores passará de R$ 2.557,74 para R$ 2.886,15.

O cálculo é da CNM (Confederação Nacional dos Municípios), com base em dados colhidos no Siope (Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação). Segundo a entidade, o reflexo em todo o País está estimado em R$ 8,7 bilhões.

Estudo da CNM aponta que, em 2019, o pagamento de salários de professores via repasse do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) somou R$ 1,117 bilhão no Estado. Em 2020, a previsão é de R$ 1,261 bilhão.

Do total que cada município recebe do Fundeb, 60% devem ser gastos com o pagamento do magistério ativo. Porém, o percentual médio dispensado com salários é de 78%.

A CNM calcula que pelo menos 600 municípios já comprometem 100% do recurso do fundo apenas com remuneração de pessoal, e precisa recorrer a verba própria para complementar.

Ainda conforme a CNM, de 2009 a 2020, o piso do magistério foi reajustado em 203,61%. O percentual está abaixo do crescimento do salário mínimo, de 121,7%; e da inflação aferida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), de 61,4%.