MS tem possibilidade real de compra de quatro vacinas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Os próximos dias serão decisivos para Mato Grosso do Sul na compra de imunizantes contra a Covid-19. Esta foi a definição do secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, ao Correio do Estado. 

Segundo o titular da Secretaria de Estado de Saúde (SES), há a possibilidade de compra de quatro imunizantes: Sputnik V, Coronavac e os fabricados pelas farmacêuticas Pfizer e Janssen, braço da Johnson & Johnson.

As negociações mais avançadas são para a compra da vacina Sputnik V, que pode ser adquirida por dois meios – ou pelo Consórcio Brasil Central, que é formado por sete estados (Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Tocantins, Maranhão e Rondônia), ou por meios próprios.

O secretário afirmou que o Estado chegou ao limite de espera por doses vindas do Ministério da Saúde, pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). 

Em virtude de problemas com insumos para a confecção das doses, as remessas têm chegado em “conta-gotas” a Mato Grosso do Sul e a imunização tem sido lenta.

“Estamos fazendo todo o esforço para comprar essas vacinas, assim como o governador. Queremos imunizar nossa gente e temos um avanço em relação à compra da vacinas, os próximos dias serão decisivos para comprarmos. Estamos chegando ao limite, a ansiedade da população é grande para ser vacinada”, disse Resende.

O secretário salientou, porém, que esses medicamentos serão aplicados perante a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e com a garantia de que todas as doses adquiridas sejam encaminhadas para os sul-mato-grossenses.

VACINAS

Mato Grosso do Sul tem, hoje, a possibilidade de compra por cinco meios diferentes para a aquisição de quatro tipos de vacina. Segundo o secretário, há conversações com representantes das farmacêuticas por meio do Consórcio Brasil Central.

No caso da Johnson & Johnson, do Instituto Butantan e da Pfizer, foram enviadas cartas de intenção, já em relação à Sputnik V a conversa está um pouco mais avançada. O Consórcio já assinou um acordo com o Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) para a compra de 28 milhões de doses da vacina. 

E a expectativa é de que o imunizante comece a chegar ao País ainda neste semestre.

Mesmo se essa compra foi acertada, o Estado ainda poderá comprar mais doses por conta própria. 

Na semana passada, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) visitou a fábrica da farmacêutica União Química, em Brasília, onde será produzida e fabricada a vacina russa, e assinou uma carta de intenção para essa aquisição.

“Vamos avaliar qual [acordo] que vai atingir mais rápido a conclusão e se vamos complementar com outro imunizante ou abdicar da carta de intenção. Isso ainda vai ser avaliado, às vezes compramos todas. O importante é não ficarmos para trás”, declarou o secretário.

GRUPOS

Resende afirmou que quando essa compra for concretizada alguns grupos terão prioridade na vacinação. 

Entre eles, os funcionários da educação e da assistência social e pessoas com comorbidades.

“É difícil dizer todos que são imunizados porque não temos ao certo o número de vacinas a serem adquiridas, mas, com certeza, vamos atender a educação, a assistência social e todas as comorbidades, como diabéticos e hipertensos. Certamente conseguiremos vacinar todos eles”.

STF

No dia 13 de abril, o Supremo Tribunal Federal (STF) proferiu uma decisão que abriu caminho para que estados e municípios façam a compra da vacina Sputnik V. 

O ministro do STF Ricardo Lewandowski deu prazo até o fim deste mês para que a Anvisa decida sobre a “importação excepcional e temporária” de doses da vacina.  

O ministro tomou a decisão em uma ação protocolada pelo governo do Maranhão, que diz ter negociado 4,5 milhões de doses da vacina produzida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia.

Na ação, Lewandowski determina que a decisão seja tomada em até 30 dias, a contar do dia 29 de março. Se forem incluídos no prazo os fins de semana e feriados, a data limite será o dia 28 de abril, ou seja, até quarta-feira.

A Anvisa já recebeu dois pedidos de autorização de uso emergencial da Sputnik V – o primeiro foi apresentado ainda em janeiro, mas a agência considerou que faltavam documentos. 

O segundo pedido foi feito em 26 de março, mas a Anvisa ainda não deu resposta e suspendeu a análise.

O governo do Estado então acionou o STF para que a decisão também seja válida para compras feitas por Mato Grosso do Sul.