MS maior taxa de ocupação de leitos de UTI, mostra levantamento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

leitos_uti

Mato Grosso do Sul tem a pior situação no quesito taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Brasil. Segundo levantamento do jornal O Globo, 90,8% estão ocupados no Estado. Na lista dos piores, também são citados Paraná (90%) e Minas Gerais (88,5%).

O jornal chama atenção para dados oficiais, fornecidos pelo Ministério da Saúde. Nesse levantamento,  Mato Grosso do Sul tem 187 leitos de UTI existentes, sendo que o necessários seria mais 316.

O número leva em consideração a realidade hoje na rede pública, e contradiz os dados do governo de Mato Grosso do Sul que fala em 515 no total, considerando a rede particular, e 286 só pelo SUS.

Como medida para enfrentamento à doença, o governo do Estado prevê 142 novos leitos de UTI. No entanto, não consegue comprar os aparelhos e precisa aguardar a compra e consequente distribuição do ministério.

Com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que provoca quadros grave de pneumonia viral, há uma corrida nacional para abrir leitos de terapia intensiva. Conforme O Globo, 17 Estados têm mais de 70% dos leitos de UTI ocupados.

Ou seja, mesmo antes da pandemia, a pressão pelos leitos é grande, considerando pacientes com infarto, AVC (Acidentes Vascular Cerebral).

O ministério avalia que é preciso criar mais de 1,6 mil leitos de UTI e mais de 22 mil leitos de enfermaria na primeira etapa de enfrentamento à doença, nos próximos 30 dias. Já no quesito leitos de enfermaria, Mato Grosso do Sul aparece com 408, mas precisaria de 1.531. O Estado tem 36 casos confirmados de novo coronavírus, 44 casos suspeitos, 388 descartados e nenhum óbito pela doença.