HABILITADOS PARA ESTUDAR FERROVIA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Estudos são passo importante para que a Ferroeste chegue a Dourados. (Foto: Seil João).
Estudos são passo importante para que a Ferroeste chegue a Dourados. (Foto: Seil João).

Quatro consórcios, entre os 18 que se candidataram, foram autorizados a realizar os levantamentos necessários como parte da fase de estudos de engenharia e de viabilidade técnica, ambiental e econômica para implantação da nova ferrovia, com cerca de 1.000 quilômetros de extensão, que ligará o Porto de Paranaguá a Dourados, no Mato Grosso do Sul.

A assinatura do termo técnico ocorreu no final do mês passado no Palácio Iguaçu, sede do Governo do Paraná, com a presença dos representantes das empresas habilitadas para o trabalho e do Banco Mundial.

A obra da nova ferrovia está dividida em dois trechos. O primeiro tem 400 quilômetros e liga Guarapuava ao litoral do Paraná. O segundo vai de Guarapuava até Dourados, passando por Guaíra, com a construção de mais 350 quilômetros de trilhos.

Atualmente, menos de 20% das mercadorias que chegam a Paranaguá são entregues por via férrea. A projeção é que haja crescimento de 450% com o novo ramal ferroviário. “E o porto estará preparado para isso, graças ao planejamento eficiente e a modernização que implantamos, além dos investimentos públicos e privados feitos nos últimos anos”, ressaltou o governador Beto Richa, antes de renunciar ao cargo, no começo do mês, para tentar novo projeto político.

A prefeita Délia Razuk comemorou o anúncio do início dessa fase e disse que Dourados se sente honrada em integrar o novo modelo de mercado econômico “que vai projetar Mato Grosso do Sul e o Paraná”. Ao destacar a luta iniciada nesse sentido ainda nos anos 90, a prefeita de Dourados observou que o projeto futurista ganhou força com a criação da Ferroeste, empresa pública do Paraná que abriu os caminhos “para o escoamento das nossas mais de 8 milhões e meio de toneladas de grãos”.

“A política de parcerias que defendemos em Dourados se desenha também para o plano nacional, onde o transporte rodoviário, que já carrega o Brasil sobre rodas, agora se revigora pelos trilhos, mostrando a grandeza dos nossos propósitos”, discorreu a prefeita.

CONSÓRCIOS

Os consórcios responsáveis pelo estudo são: HaB, constituído pelas empresas Bureau da Engenharia ECT Ltda., Hendal e Advice Concultoria e Serviços; o consórcio SSSE, formado pela empresa espanhola Sener Ingeneria e pelas nacionais Sener Setepla e Engefoto; o consórcio Egis-Esteio-Copel, do qual fazem parte a empresa francesa Egis Engenharia e Consultoria Ltda. e pelas nacionais Esteio Engenharia e Aerolevantamentos S.A e Copel, e o consórcio formado pela STS (Sistemas de Transportes Sustentáveis), Pullin e Campano Consultores Associados e Navarro Prado Advogados, pela consultoria Millennia Systems, dos Estados Unidos, e pela EnVia Technologies International.