Financiamento imobiliário chega a R$ 7,78 bi, maior nível em quatro anos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

HAB

O crédito imobiliário com recursos do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) alcançou R$ 7,78 bilhões em novembro, melhor resultado mensal desde maio de 2015. Em comparação com o mesmo mês de 2018, o crescimento dos valores foi de 59,6%. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (30), pela Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

De acordo com o Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança, o montante representa alta de 3,3% em relação ao mês de outubro, quando o setor registrou R$ 7,53 bilhões financiados

Já entre dezembro de 2018 e novembro de 2019, houve aumento de 38,3% no volume de empréstimos em comparação com o período anterior. O valor passou de R$ 55,2 bilhões para R$ 76,09 bilhões. O boletim da Abecip também ressalta a rentabilidade acumulada no Índice Imobiliário Ibovespa, que chegou a 45,29%.

O maior volume de financiamentos imobiliários é gerenciado pela Caixa. Nas modalidades aquisição e construção, a carteira do banco público totaliza R$ 22,8 bilhões em pouco mais de 88 mil unidades. Em segundo lugar está o Bradesco, com R$ 16,2 bilhões financiando 63,4 mil imóveis. Já o Itaú Unibanco conta com cerca de 49 mil clientes em aquisição e construção, que representam uma carteira de R$ 14,7 bilhões.

Disponibilidade de financiamentos

O aumento dos financiamentos ocorre em meio à maior disponibilização de recursos do SBPE. Segundo a Abecip, entre dezembro de 2018 e novembro de 2019, foram aplicados R$ 70,04 bilhões para aquisição e construção de imóveis. O valor representa aumento de 36,4% em comparação com o mesmo período de 2018, quando havia R$ 51,33 bilhões.

A captação líquida do SBPE em novembro ficou em R$ 3,05 bilhões, enquanto o saldo está em R$ 642 bilhões – alta de 6,3% em relação a 2018. Já no acumulado do ano, o SBPE teve captação líquida negativa de R$ 1,2 bilhão, com mais saques do que depósitos realizados.

Flutuação no número de unidades

Apesar do aumento dos valores envolvidos nas negociações, o número de unidades negociadas chegou a registrar queda entre outubro e novembro. O recuo foi de 2,5% no total de imóveis nas categorias aquisição e construção que, juntas, representam 28,9 mil imóveis.

Já no acumulado do ano, o saldo de unidades foi positivo, com 46,3% de aumento em comparação com o mesmo período de 2018. Os recursos do SBPE possibilitaram a aquisição e construção de 266,3 mil imóveis entre janeiro e novembro de 2019, o que representa 29,9% de alta em comparação com o acumulado do ano passado. O período não registrava resultado negativo desde 2016, quando o déficit foi de R$ 31,2 bilhões.