ECONOMIA DO BRASIL ENCOLHE 4,55%

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

Economia Brasil 2016A economia brasileira registrou tombo recorde em 2016, marcando o segundo ano consecutivo de profunda recessão, indicou o Banco Central nesta quinta-feira, com especialistas indicando que a recuperação virá neste início de 2017, mas ainda tímida.

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), caiu 4,55 por cento em 2016, em dado dessazonalizado. Em 2015, ainda pelo indicador, a atividade havia recuado 4,07 por cento.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o resultado oficial do PIB de 2016 dia 7 de março.

Somente no quarto trimestre, o IBC-Br mostrou queda de 0,36 por cento sobre os três meses anteriores, sempre em dados dessazonalizados. Em dezembro, o índice caiu 0,26 por cento ante novembro, desempenho mais fraco que a contração de 0,20 por cento estimada em pesquisa da Reuters.

“O resultado só sintetiza tudo que os outros indicadores vinham mostrando”, avaliou o economista da Tendências Rafael Bacciotti, que prevê queda do PIB em 2016 da mesma magnitude da observada em 2015, de 3,77 por cento pelo IBGE.

Para este ano, a estimativa é de alta de 0,7 por cento na atividade, embalada por impulsos do lado da produção, além de um cenário de inflação mais baixa e juros mais favoráveis. A recuperação, segundo Bacciotti, ocorrerá já no primeiro trimestre, mas ainda modesta, com alta de 0,1 por cento sobre o trimestre anterior.

Por ora, a expectativa de economistas na pesquisa Focus mais recente, realizada pelo BC junto a uma centena de economistas, é de queda de 3,5 por cento do PIB em 2016. Os dados corroboram a leitura da pior recessão atravessada pelo país em dois anos desde que os registros oficiais começaram, em 1901.

Para este ano, a projeção do mercado é de expansão de 0,48 por cento do PIB, mas bancos e consultorias já começaram a melhorar suas previsões diante das boas surpresas vindas da inflação, que tem desacelerado mais do que o esperado recentemente e alimentado expectativas de cortes mais agressivos de juros. O banco Santander, por exemplo, vê expansão de 0,7 por cento do PIB neste ano, mas com viés de alta.  (Por Marcela Ayres, da Reuters).