Dourados demite mais que contrata

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Dourados fechou o mês de maio com número negativo de empregos, com o terceiro pior desempenho entre as 15 cidades pesquisadas (Foto: Divulgação)
Dourados fechou o mês de maio com número negativo de empregos, com o terceiro pior desempenho entre as 15 cidades pesquisadas (Foto: Divulgação).

Henrique de Matos

Os números do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), divulgados na sexta-feira (1) pelo Ministério do Trabalho, colocam Dourados com o terceiro pior desempenho na geração de empregos entre os 15 municípios pesquisados em maio no Estado. Com um saldo negativo de 26 vagas, o desempenho de Dourados supera apenas Sidrolândia e Campo Grande, que fecharam maio na lanterna entre os municípios geradores de emprego em Mato Grosso do Sul.

Conforme os dados do Caged, em Dourados, foram feitas 1.871 contratações contra 1.897 demissões no mês de maio. Campo Grande foi a cidade que mais fechou postos de trabalho em maio: 0,24% em comparação com abril, sendo demitidos 485 funcionários. Sidrolândia demitiu 83 trabalhadores; em Dourados houve 26 demissões e Rio Brilhante, 16.

Em contrapartida, Três Lagoas contratou 250 funcionários, 0,76% a mais em comparação com abril. Maracaju contratou 128 trabalhadores e Ponta Porã, 89 contratações.

 

SETORES

Os setores da construção civil e da agropecuária foram os que mais geraram empregos em maio no Estado. O setor da agropecuária foi o que mais contratou em maio, gerando 522 postos de trabalho. Para o presidente do setor da agricultura da Fetaeg (Federação dos Trabalhadores na Agricultura de MS), Elias Dias de Freitas, a chave do agronegócio é a alimentação. “Quando se trata de alimentos a produção não para e Mato Grosso do Sul é grande produtor, por isso, não há desemprego”, informa.

Desde o ano passado apresentando saldo negativo nas contratações, o setor da construção civil gerou 397 postos de trabalho em maio. De acordo com o presidente do Sintracom (Sindicato de Indústria da Construção Civil), José Abelha, trabalhadores que estavam na informalidade voltaram a ser contratados.

“As contratações devem-se as expansões da fábricas de celuloses em Três Lagoas. Na Capital, empresários estão mais otimistas e retomando obras que estavam paradas e até mesmo, iniciando outras obras, construindo mais”, afirma dizendo ainda que em junho também houve muita procura por parte dos empresários por mão de obra.

Nos cinco primeiros meses do ano houve contratações de 3.164 postos, aumento de 0,61% em comparação com o mesmo período de 2015l. Porém, nos últimos 12 meses foi registrado queda 2,22% no nível de emprego ou seja, fechamento de 11.784 postos de trabalho.