Com novas doses, MS pretende zerar vacinação de idosos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Mato Grosso do Sul receberia na noite de ontem a 13ª remessa de vacinas contra um Covid-19, que será aproveitada para realizar a vacinação de idosos e para a segunda dose dos demais grupos. 

De acordo com o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, o quantitativo de 77,9 mil doses dos imunizantes Coronavac e AstraZeneca não é suficiente para adicionar um novo grupo prioritário na vacinação.

Resende informou que as doses da nova remessa não serão suficientes para incluir um novo grupo prioritário no cronograma, mas destacou que os imunizantes serão utilizados para as segundas aplicações e para atender o público de 60 anos, caso sobre.

De acordo com o secretário, os municípios que completarem 100% da vacinação dos demais grupos prioritários e possuírem doses remanescentes podem abrir vacinação para os grupos de pessoas de 55 a 59 anos com comorbidades. “Com essas doses remanescentes, os municípios já podem iniciar essa fase”.

Segundo o mapa de distribuição dos imunizantes recebidos, publicado em edição extra do Diário Oficial do Estado de ontem, do total de 31.400 doses da vacina Coronavac, um lote de 27.300 doses será na vacinação do grupo dos trabalhadores de saúde (1.700) e de idosos com 70 anos ou mais (25.600).

Outras 4.100 doses de Coronavac serão utilizadas para iniciar a segunda dose do grupo previsto na 9ª etapa de envio de imunizantes, em que 1.620 doses devem ser empregadas no grupo de trabalhadores de saúde e 2.480 doses no grupo de idosos de 65 anos ou mais.

Do total de 46,5 mil doses da vacina AstraZeneca, 3.655 deve ser utilizado para iniciar uma primeira dose de 25% do grupo das Forças Armadas, que inclui o Exército, a Marinha e a Aeronáutica. Além disso, 31.845 doses do imunizante serão empregadas para a continuidade da primeira dose da vacinação de idosos com 60 anos ou mais.

Com a nova remessa de doses de vacinas contra Covid-19 que chegaria ontem, Campo Grande ficará com 29.070 doses, entre Coronavac e AstraZeneca, de acordo com dados informados pela SES. A chegada a imunizante possibilitará à Prefeitura de Campo Grande retomar a vacinação de idosos com 61 anos, faixa etária que teve a imunização paralisada na sexta-feira.

Entre os idosos com 61 anos, será priorizada a vacinação dos que possuem comorbidade graves, como doenças imunossuprimidas, oncológicos em tratamento, transplantados, pneumopatias crônicas graves, pacientes com doenças cardiovasculares crônicas e que ocorreram em procedimentos cardiovasculares, doença cerebrovascular, obesidade mórbida e cirrose hepática.

Também serão vacinadas pessoas com mais de 18 anos com síndrome de Down, anemia falciforme, coagulopatias hereditárias ou deficiências permanentes que apresentem limitação motora que causam grandes dificuldades ou incapacidades.