CÂMARA APROVA E DOURADOS AUMENTA IMPOSTOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Impacto do imposto será em atividades de menor renda econômica. (Foto-Marcos Ribeiro).
Impacto do imposto será em atividades de menor renda econômica. (Foto-Marcos Ribeiro).

O vereador Marçal Filho (PSDB) teve voto vencido e a maioria dos vereadores da Câmara Municipal de Dourados aprovou em segunda votação na noite desta segunda-feira (25) projeto de lei 016/2017 do poder Executivo que altera o código tributário e passa a cobrar impostos de uma gama de profissionais, até então isentos. O projeto segue para ser sancionado pela prefeitura de Dourados e passa a entrar em vigor em janeiro do ano que vem.

Marçal Filho em co-autoria com o vereador Madson Valente (DEM) apresentou durante sessão nesta segunda uma emenda supressiva ao projeto da prefeitura com o propósito de proteger o cidadão que sobrevive de atividades basicamente de subsistência ou que complementam a renda familiar. São pintores de paredes, costureiras, cabeleireiras e outros prestadores de serviços que, em sua maioria, dependem diretamente destes trabalhos para que possam sustentar suas famílias. A emenda que protegia esses profissionais foi recusada pela maioria dos vereadores e partir do ano que vem todos esses trabalhadores passam a pagar ISSQN (Imposto de Serviço sobre Qualquer Natureza).

Encaminhado à Câmara em última hora, o projeto segue a lei complementar nº 157, sancionada pelo presidente Michel Temer em dezembro de 2016, que altera a cobrança do ISSQN e atribuiu aos municípios a decisão de poder de cobrança de impostos.  A medida atinge em especial a taxação sobre serviços de saúde, operações com cartão de crédito, leasing e serviços de transmissão de filmes e músicas pela internet, sendo que a partir de 2018 os tributos que o contribuinte já paga, nessas operações, serão recolhidos no local da execução do contrato, ou seja, no município onde ocorre a prestação dos serviços, e não no município onde está a sede dessas empresas.

Marçal Filho defende a cobrança do ISSQN para operadoras de cartões, leasing, no entanto, é contra a tributação de trabalhadores prestadores de serviços. “Esse projeto de cobrança de impostos foi criado em 2003 pelo Governo Federal e até então os trabalhadores como cabeleireira, costureira, pintor de parede, não pagavam impostos, pois dependia das prefeituras enviarem o projeto para as câmaras municipais para serem aprovados ou não”, explicou Marçal Filho.

E foi isso o que aconteceu. Após 14 anos da criação do projeto do Governo Federal, a prefeitura de Dourados encaminhou a proposta à Câmara para receber o aval dos vereadores para ter a sua validade. Dos 19 parlamentares da Câmara, apenas cinco foram contrários ao projeto que passa a cobrar impostos de uma vasta gama de trabalhadores.

A discussão na Câmara para a aprovação do projeto durou mais de duas horas e o vereador Marçal Filho foi incisivo ao dizer que antes de ter votado a cobrança de ISSQN, os parlamentares e o poder Executivo deveriam ouvir os trabalhadores, assim como ocorreu em muitos municípios do país. “Será que esses profissionais querem pagar mais impostos”, indagou o vereador durante a discussão na Câmara. Os parlamentares apenas ouviram técnicos da prefeitura que apresentaram cálculos do quanto o Executivo poderia arrecadar aos cofres públicos com a taxação de mais impostos.

A preocupação de Marçal é com o impacto do imposto em diversas atividades de serviços, diante do momento de crise econômica. O vereador diz que compreende a necessidade do Executivo de equilibrar suas contas, mas num momento onde faltam empregos e há fechamento de empresas, gerar mais custos pode inviabilizar ainda mais a economia douradense. De acordo com ele, cada município tem a sua realidade e Dourados não poderia taxar ainda mais os trabalhadores.

De janeiro até agora, conforme Portal Transparência da Prefeitura de Dourados, o município arrecadou R$ 36.517.877,22 com o ISSQN. Para o vereador, ampliar o rol do tributo para inúmeros profissionais não trará significância aos cofres da administração municipal, apenas taxará trabalhadores que cansados de pagar impostos não recebem contrapartida.