Apenas em três cidades de MS arrecadação supera repasse do auxílio emergencial

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Fila para entrada em agência da Caixa, em Brasília.

Somente em três dos 79 municípios de Mato Grosso do Sul, o valor repassado pelo Governo Federal através do auxílio emergencial não supera o total arrecadado em impostos municipais, como ISS e IPTU. Isso significa que na grande maioria das cidades de MS, a economia praticamente se sustentou devido ao benefício.

O balanço faz parte da Febrafite (ederação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais), que junto com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) fez um levantamento em 4.690 municípios brasileiros, demonstrando queda real de 2,2% nas receitas próprias, o que foi “compensado pelo crescimento das receitas de transferências – impactado pelas medidas de apoio federativo”.

A federação detalha ainda que “o auxílio emergencial desempenha papel fundamental na economia municipal. Na maior parte dos municípios, para ser mais preciso em 4.403 desses, o valor injetado na economia municipal a título de auxílio emergencial, supera o valor arrecadado com impostos de competência municipal”.

A cidade de Mato Grosso do Sul que mais se beneficiou do auxílio emergencial foi Rio Verde, onde a arrecadação municipal entre janeiro e agosto foi de apenas R$ 255.155,00, enquanto os repasses do benefício chegou a R$ 17.998.200,00, sendo este 6097,9% maior.

Tal valor só não supera o total de transferências gerais – estaduais e/ou federais – que no período foi de R$ 27.778.792,00. A receita corrente do município é de R$ 58.267.807,00.

A cidade é que a apresentou a maior prevalência de impacto com o auxílio, sendo que em seguida, surge Camapuã, onde a arrecadação de impostos foi de apenas R$ 231.384,00 e os valores do benefício federal repassados, na ordem de R$ 12.100.200,00 (5.229,5% maior). A receita líquida da cidade é de R$ 43.655.724,00.

Na segunda maior cidade de MS, Dourados, a arrecadação municipal também não superou o valor repassado pelo auxílio emergencial, sendo que este foi 377,4% maior que a receita tributária municipal, que entre janeiro e agosto, contabilizou R$ 47.303.702,00 arrecadados. Já o repasse federal através do benefício foi de R$ 178.513.200,00. A receita corrente líquida de Dourados é de R$ 625.641.876,00.