ANAC AUTORIZA IFR, MAS AZUL CORTA VOOS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

Aeronaves comerciais de médio e grande porte agora podem operar por instrumentos em Dourados. (Foto : Franz Mendes).
Aeronaves comerciais de médio e grande porte agora podem operar por instrumentos em Dourados. (Foto : Franz Mendes).

Dênes de Azevedo

 

Dourados realmente não está de bem com a aviação. Esta semana a comunidade recebeu uma notícia boa, a liberação da operação por IFR (Instrumentos) para aeronaves com envergadura de asa acima de 25 metros. Mas, por outro lado, a Azul, única operadora de transporte de passageiros no aeroporto de Dourados, cortou de quase 50% dos voos no mês de julho, mesmo voando hoje com aeronaves com lotação acima de 80%.

A comunidade ligada à aviação e autoridades há muito tempo lutam para a liberação do voo por instrumentos para a aeronave ATR 72-600, que opera na cidade. Isso resolveria o problema de cancelamentos e voos alternados para Campo Grande em dias de mal tempo, principalmente no inverno. Utilizando o sistema de instrumentos RNAV, implantado desde 2012, os pilotos conseguem pousar e decolar na maioria dos casos de tempo chuvoso ou com neblina.

Porém, mesmo com o procedimento finalmente autorizado, a Azul, que justificava o problema para cortar voos no inverno, reduziu em quase 50% a oferta de voos, de 3 a 28 de julho. Atualmente a companhia opera com dois voos de segunda a sexta-feira no aeroporto Francisco de Matos Pereira, ligando Dourados a São Paulo (aeroporto de Campinas), um pela manhã, com partida às 9h55, e outro às tarde, com partida às 18h05.

Mas, de 3 a 28 de julho esses voos da manhã e tarde serão ofertados apenas nas segundas e sextas-feiras. Nas terças, quartas e quintas-feiras haverá apenas um voo, criado como voo extra, que partirá de Dourados para Campinas às 15h40. A medida afetará diretamente a demanda de transporte aéreo na cidade, uma vez que a ocupação das aeronaves ATR 72, que tem 70 assentos, é de mais de 80% em todos os voos.

A redução dos voos também encarece o custo da passagem, fazendo com que mais pessoas passem a utilizar o aeroporto de Campo Grande, localizado a 220 km de Dourados. Hoje calcula-se que mais de 50% das pessoas que moram em Dourados e região utilizam o aeroporto de Campo Grande, por conta da baixa oferta de voos e medo dos voos alternados de aeroporto por conta do clima.

Agora, mesmo com o problema da operação por instrumentos resolvido, os moradores da região continuam sofrendo devido à baixa oferta de voos e pela operação na cidade de apenas uma companhia aérea. A esperança, segundo o pessoal do setor de aviação, é que a liberação do IFR atraia outra companhia para finalmente atender a demanda represada existente no aeroporto de Dourados.