Na demora do PAR, solução é remover Bombeiros

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

aeroporto-de-ddos-denesdeazevedo
ATR 72 tem envergadura de 27 metros; operação por instrumentos no aeroporto de Dourados está restringida a aeronaves com no máximo 25 metros de envergadura. (Foto: Dênes de Azevedo).

Da Redação

 

Com a chegada do inverno o pesadelo dos ‘transfers’ (baldeações por ônibus para Campo Grande) fica ainda maior para os milhares de passageiros que utilizam o aeroporto Francisco de Matos Pereira, de Dourados. Aeronaves de envergadura (ponta de asa à ponta de asa) superior a 25 metros, como é o caso do ATR-72, operado pela Azul e Passaredo, tem restrição da Aeronáutica quanto ao uso do sistema de instrumentos existente no aeroporto. É que a base do Secinc (Serviço de Combate a Incêndio) está muito próxima da pista de pousos e decolagens.

À medida que se reduzem as esperanças no PAR (Programa de Aviação Regional) do Governo Federal que prevê remodelação total do aeroporto, autoridades e sociedade organizada começam se mobilizar para resolver o problema. O Indicador Econômico ficou sabendo que a Prefeitura busca uma parceria com o Governo do Estado para remover a base do Secinc para fora da cerca de proteção do aeroporto. Assim, o ATR 72 poderia operar normalmente por instrumentos.

Devido a um projeto equivocado nos governos de Ari Artuzi (prefeito de Dourados) e André Puccinelli (governador do Estado) a base dos bombeiros ficou muito próxima da pista. Quando da vistoria do sistema de instrumentos, o RNAV, a Aeronáutica detectou o problema e limitou a operação de por instrumentos a aeronaves de até 25 metros de envergadura, como é o caso ATR 42, por exemplo, que tem 24,57 metros de envergadura e que transportam no máximo 50 passageiros. Mas, devido a demanda alta de passageiros não é viável utilizar essas aeronaves em Dourados. As companhias que operam na cidade usam o ATR 72, que tem 27,05 metros de envergadura e capacidade de 70 assentos.

Mas o que muda com a liberação do RNAV para aeronaves com envergadura acima de 25 metros? Com isso o ATR 72 poderia pousar utilizando o sistema de instrumentos no aeroporto, descendo sem visual a até uma altitude de 250 metros da cabeceira da pista. Vendo a sinalização o piloto pousa normalmente. Com isso, em torno de 90% dos voos que hoje são alternados para Campo Grande nos caso de mal tempo (chuva ou neblina) pousariam e decolariam normalmente em Dourados. O RNAV é um sistema de aproximação por instrumentos com uso de GPS. O aeroporto está mapeado para este sistema desde 2011.

Este ano, com o excesso de chuvas os problemas de alternação começaram em novembro do ano passado. Em abril e maio chuvas e frentes frias causaram sérios prejuízos à cidade em função de voos cancelados.

As autoridades locais relutavam em remover o Sescinc na esperança de que as obras de reforma do aeroporto pelo Programa de Aviação Regional, lançado em dezembro de 2012, acontecessem. Porém com a crise econômica e a crise política em Brasília se perde a esperança. “Mesmo que o projeto seja mantido não sai antes de 2020”, disse uma fonte do setor aéreo ao Indicador Econômico. Daí a mobilização para tentar remover o Sescinc e liberar o sistema de instrumentos para o ATR-72.

Outra fonte, um piloto que tem contato na Azul, disse acreditar que a partir do fim da restrição ao instrumento a Azul passará a empregar também em Dourados o jato Embraer 195, que tem envergadura de 28,72 metros.  Essa aeronave transporte 118 passageiros e voa a 890 km/h, mais rápido que o ATR, que voa em cruzeiro a 511 km/h. Com isso, o tempo de voo seria menor entre Dourados e São Paulo.

 

PAR

O programa do Governo Federal prevê investimento em Mato Grosso do Sul para ampliação dos aeroportos de Dourados, Bonito e Três Lagoas e implantação em Coxim, Costa Rica, Naviraí e Nova Andradina. Os recursos são do PROFAA, da Secretaria de Aviação Civil, administrados pelo Banco do Brasil. As prioridades são para Dourados e Bonito.

Para Dourados o projeto é de R$ 40 milhões para a construção de um novo terminal de passageiros, com 2.160 m², em um novo local; ampliação da pista de pouso e decolagem para 2.280 metros de comprimento por 45 metros de largura; construção de um novo pátio de aeronaves; construção de nova seção contra incêndio e na instalação de novos equipamentos para operação por instrumentos. Com a ampliação o aeroporto poderá operar aeronaves categoria 4C, com 90% do peso máximo de decolagem. O Boeing 737-800, operado pela Gol, e o Airbus A-319, operado pela TAM, estão nessa categoria.

 

Quintella

No dia 7 o governador Reinaldo Azambuja se reuniu com o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, para entregar reivindicações de investimentos em Mato Grosso do Sul, sobre o PAR. Eles elas estava o pedido de agilização das obras nos aeroportos.

Mas não é apenas em Brasília que o sistema está emperrado. O Governo do Estado ainda não concluiu o sistema de licenciamento ambiental do aeroporto de Dourados. O licenciamento está sendo feito pelo Imasul (Instituto de Meio Ambiente de MS).

O Banco do Brasil somente poderá licitar as obras com as licenças e o projeto. Isso quer dizer que a licitação só acontecerá mesmo após as eleições municipais. E com isso, caso o governo mantenha o projeto, início das obras acontece só no ano que vem.