A NOVA NOTA FISCAL DO CONSUMIDOR

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Everson Leite Cordeiro, Chefe da Agenfa Regional Dourados falará no evento sobre a nota. (Foto: Divulgação)
Everson Leite Cordeiro, Chefe da Agenfa Regional Dourados falará no evento sobre a nota. (Foto: Divulgação)

Os empresários precisam ficar atentos aos prazos para implantação da NFC-e (Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica), que em breve será obrigatória. O documento fiscal deve trazer mais agilidade para o comerciante e segurança para o consumidor.
Para esclarecer sobre os procedimentos e tirar dúvidas, a Aced (Associação Comercial e Empresarial de Dourados), realiza uma palestra nesta sexta-feira (06) às 09h, em parceria com a Sefaz (Secretária Estadual de Fazenda).

Desde março de 2017, várias empresas e comércios varejistas em Mato Grosso do Sul vem se adaptando à NFC-e, documento fiscal obrigatório traz benefícios tanto para quem vende, quanto para quem compra. No Estado, segundo a Sefaz 4.637 estabelecimentos comerciais nos 79 municípios emitem a NFC-e, já foram mais de 87 milhões de notas eletrônicas emitidas desde o inicio da implantação, uma média de 350 mil por dia.

Em 1º de setembro de 2018, vence o prazo para os estabelecimentos com receita bruta anual entre R$ 180 mil e R$ 600 mil. Enquanto os comércios com receita bruta entre R$ 81 mil e R$ 180 mil, têm até 1º de março de 2019 para se regularizarem.

Everson Leite Cordeiro, Chefe da Agenfa Regional Dourados, explica que para o comerciante a mudança trará redução de custos e mais agilidade. “A NFC-e tem a vantagem do empresário gerenciar os produtos em tempo real. Ele consegue ver o que saiu, a qualquer momento, diferente do controle manual feito com Nota Fiscal de Venda ao Consumidor como é hoje em dia. Para se adaptar ao novo sistema o empresário tem que adquirir um programa emissor de NFC-e, ter o Certificado Digital do CNPJ e fazer o credenciamento no site da Sefaz”, explica.

A impressão da NFC-e pode ser feita em qualquer impressora até mesmo na máquina de ECF (Emissor de Cupom Fiscal) com esse sistema devidamente encerrado. Para o consumidor há mais segurança na hora da compra, já que os dados da NFC-e são digitais e podem ser enviados no e-mail do cliente. Isso permite ao consumidor o controle e o gerenciamento de suas notas pessoais. A NFC-e vem ainda com um QR Code, código de barras em 2D que pode ser lido por aplicativos de celulares.

A Aced entende que essa mudança fiscal afetará na vida de todos, comerciantes e consumidores. “Nós acreditamos que participar dessa discussão é importante, para que haja esclarecimento de toda classe empresarial. Queremos que o associado tenha a oportunidade de sanar todas as dúvidas”, afirma Elizabeth Rocha Salomão, presidente da associação.

A palestra “Nota Fiscal de consumidor eletrônica: A evolução do varejo” será às 09h no Auditório Aced (Rua João Rosa Góes, nº355). Mais informações no telefone (67) 3416-8653 ou WhatsApp (67) 9 8402-6658.