Indústria gráfica aposta em estoque enxuto e carteira de clientes atualizada para vencer crise

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Para vencer a crise econômica, as indústrias gráficas de Mato Grosso do Sul devem apostar em estoques enxutos e carteira de clientes atualizada, segundo análise do presidente da Sindigraf/MS (Sindicato das Indústrias Gráficas de Mato Grosso do Sul), Julião Gaúna. “É preciso conhecer o próprio negócio para ter custos competitivos. Precisamos ter contato de forma sistemática e acompanhar as necessidades dos nossos clientes, porém, também é importante cuidar da carteira de contas a receber por conta da inadimplência que continua crescendo”, pontuou.

Setor aposta em melhorias de gestão para enfrentar a crise
Setor aposta em melhorias de gestão para enfrentar a crise

Ele destaca que, com o fim do Carnaval, o ano começa para valer no País e o empresário gráfica precisa produzir e deixar um pouco de lamentar a situação atual. “É fato que a crise existe e é econômica e financeira, porém, mais profundamente, ela não deixa de ser também política e moral e isso afeta diretamente os investimentos do segmento, bem como de todo o sistema produtivo brasileiro”, reforçou, lembrando que a indústria gráfica já passou por muitas adversidades e superou todas elas. “Está não será diferente, vamos vencê-la também”, garantiu.

Julião Gaúna avalia que ter margem de mercado é a primeira lição de casa que o empresário gráfico precisa exercitar a todo momento. “Afinal, nós temos um negócio para prosperar, gerando lucro e emprego, além de contribuir com o crescimento do seu entorno. Assim como todos os setores têm sentido o desaquecimento da economia, o nosso também passa pelo mesmo problema, o que se refletiu com o aumento de forma absurda do desemprego e a redução de crédito”, pontuou.

Dever de casa

O presidente do Sindigraf/MS projeta que, ao longo deste ano e também do próximo ano, o quadro ainda será negativo em decorrência de o Governo Federal não ter feito o dever de casa, deixando de corrigir os erros que cometeu com a condução da política fiscal e transferindo para o setor produtivo os prejuízos com a má gestão das contas públicas. “Sou um otimista e vamos conseguir dar uma virada nessa situação. Precisamos reduzir a inflação e barrar o aumento dos juros e da matéria-prima, que tanto atrapalham e prejudicam a economia nacional”, avaliou.

No entanto, Julião Gaúna acredita que, para escalar a “montanha” de problemas imposta pela atual política econômica e fiscal do Governo Federal, a indústria gráfica precisa agir. “Precisamos buscar novas oportunidades, deixando para trás o muro de lamentações e enfrentando a crise com o que mais dar resultado nessas situações, que é a melhoria na gestão das nossas empresas. Isso já está acontecendo positivamente com algumas de nossas gráficas, pois alguns empresários gráficos resolveram enfrentar o cenário negativo com inteligência, criatividade, tempo e energia”, ressaltou.

Conforme ele, o empresário gráfico precisa optar por pensar o seu negócio e trabalhar novas oportunidades e alternativas para divulgar e vender os seus produtos e serviços, colocando a sua marca em primeiro lugar e, principalmente, aprimorando a sua capacidade, qualificando e buscando o comprometimento com todos os seus colaboradores. “A busca pela eficiência operacional tem de ser diária, precisamos produzir mais com menos e só vamos alcançar isso por meio de boas práticas”, aconselhou.

Choque de gestão

Na análise do presidente do Sindigraf/MS, com a visão das boas práticas, os empreendedores devem optar por dados precisos em seus programas de gestão ou sistemas de orçamento. “Precisamos aplicar todos os dados pertinentes a todos os tipos de produtos e serviços para que os orçamentos sejam reais, enxutos e competitivos. Além disso, juntamente com os nossos colaboradores, temos de buscar o melhor caminho para produzir mais, gastando menos. Desta forma os objetivos serão alcançados”, apontou.

Com essas ações, na avaliação de Julião Gaúna, os empresários gráficos, por meio desta postura e com a participação efetiva de todos os seus colaboradores, podem aumentar seu faturamento. “Agindo dessa forma, vamos enfrentar os obstáculos que se apresentam e dar ao consumidor soluções efetivas com a criatividade que nos é peculiar. Não tenho duvida que seremos vitoriosos nesta empreitada”, finalizou.