TC da União aprova a instalação de Porto Seco em Três Lagoas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Tres-Lagoas-640x372
Os próximos passos serão a realização de uma audiência pública em Três Lagoas, prevista para o mês de junho e, em seguida, a abertura do processo de licitação. (Foto: Divulgação).

O Tribunal de Contas da União (TCU) autorizou a Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 1ª Região Fiscal a dar continuidade nas ações para a viabilização do Porto Seco de Três Lagoas. A decisão do TCU no Acordão n. 988/2016 proferida em sessão do dia 27 de abril e divulgada nesta semana aprova a Receita a dar continuidade no processo de exploração de outorga de terminal alfandegado de uso público do tipo Estação Aduaneira Interior”, a ser implantado no município da Costa Leste sul-mato-grossense.

“Essa aprovação do TCU é fundamental sob o ponto de vista do desenvolvimento econômico de todo o Estado. É uma grande vitória para o poder público e para o setor produtivo de Mato Grosso do Sul, pois nos coloca em um outro patamar em termos de competividade para atração de investimentos e escoamento de produção”, avalia o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico, Jaime Verruck.

As operações de importação e exportação de Mato Grosso do Sul serão as grandes beneficiadas com o Porto Seco. Segundo o secretário, “o comércio exterior do Estado, que já passa por um momento favorável, deverá ter um salto expressivo após sua instalação por conta da competividade que o porto nos irá proporcionar. Três Lagoas e região deverá atrair outro tipo de investidores, diversificando ainda mais a atividade econômica do Estado”.

Os próximos passos, segundo o Delegado da Receita Federal em Campo Grande, Flávio de Barros Cunha, serão a realização de uma audiência pública em Três Lagoas, prevista para o mês de junho e, em seguida, a abertura do processo de licitação. “A implantação de portos secos é uma política estratégica da Receita para interiorizar o despacho aduaneiro com o objetivo de facilitar o comércio exterior e propiciar o desenvolvimento econômico, industrial e comercial”, afirmou Flávio de Barros.

De acordo com o acórdão do TCU a localização estratégica de Três Lagoas foi relevante na defisão por situar-se em entroncamento rodoviário, fluvial e ferroviário, permitindo fácil deslocamento de sua produção agropecuária e industrial. Essa condição “vai permitir o escoamento da carga (especialmente celulose) de/para o porto seco por meio da hidrovia Tietê-Paraná”, diz o documento.

Como funciona

De acordo com a Receita Federal, Porto seco ou Estação Aduaneira Interior (EADI) é um terminal intermodal terrestre diretamente ligado por ferrovia, rodovia e, em alguns casos, também aeroporto. Sua vantagem é proporcionar mais rapidez no processo de desembaraçamento aduaneiro das operações de exportação e importação.

Os portos secos possuem instalações para armazenamento e consolidação de mercadorias, manutenção de transportadores rodoviários ou ferroviários de carga, além dos serviços de desalfandegamento. Com o uso dos portos secos, as mercadorias exportadas já chegam aos portos marítimos prontas para o embarque, enquanto que no caso das importações pode-se tirar as mercadorias dos portos marítimos mais cedo, onde a armazenagem custa substancialmente mais caro.

Atualmente, existem 57 portos secos em funcionamento no país, assim distribuídos por unidades da federação: Amazonas (1); Distrito Federal (1); Goiás (1); Mato Grosso (1); Mato Grosso do Sul (1); Pará (1); Pernambuco (1); Bahia (2); Rio de Janeiro (3); Santa Catarina (3); Minas Gerais (4); Espírito Santo (4); Paraná (5); Rio Grande do Sul (6) e São Paulo (25). Em Mato Grosso do Sul, o porto seco já em operação localiza-se em Corumbá e é operado pela Armazéns Gerais Alfandegados de Mato Grosso do Sul (Agesa).