FPM fecha com um prejuízo de 39% em março em relação a fevereiro e preocupa os prefeitos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

douglas figueiredo
Douglas Figueiredo, tesoureiro da Assomasul, diz que queda preocupa a maioria dos prefeitos. (Foto: Divulgação).

O FPM (Fundo de Participação dos Municípios) fechou com um prejuízo de 39% em março em relação ao mês anterior, segundo cálculos da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul).

O repasse de fevereiro do fundo constitucional totalizou R$ 105.542.185,20, enquanto que este mês fechou com apenas R$ 64.108.287,02, conforme os dados liberados pela entidade após o último depósito confirmado para esta quarta-feira (30).

Composto de 23.5% da arrecadação do IPI (Imposto sobre Produtos Industralizados) e do IR (Imposto de Renda), o FPM é depositado na conta das prefeituras brasileiras nos dias 10, 20 e 30 de cada mês.

Pela previsão da STN (Secretaria do Tesouro Nacional), o terceiro decêndio seria de R$ 29.622.060,51, no entanto, o repasse fechou em R$ 25.861.244,41, uma diferença a menor de R$ 3.760.836,10, equivalente a uma perda de 13%.

Para o tesoureiro da Assomasul e prefeito de Anastácio, Douglas Figueiredo (PDT), a queda preocupa a maioria dos prefeitos no momento em que os municípios mais precisam de verbas extras para sanear as finanças.

“A situação é difícil, sobretudo, para os municípios que não têm receita própria e dependem do Fundo de Participação dos Municípios”, observa Douglas, que apesar da crise tem se destacado pela boa administração em Anastácio, onde tem implantado vários projetos e ações com recursos próprios e verbas federais.

A queda verificada em março deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, segundo os cálculos da Assomasul, é de 11%.

Ainda segundo a associação, do total repassado em março já estão descontados os 20% destinados ao Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação). No entanto, não estão descontados os valores do Pasep e INSS.