Assembleia aprova projeto de lei de Renato Câmara que diminui custos para idosos renovarem a CNH

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Proposta de Renato Câmara vai garantir benefícios aos idosos do Estado na renovação ou emissão da CNH. (Foto: Victor Chileno).
Proposta de Renato Câmara vai garantir benefícios aos idosos do Estado na renovação ou emissão da CNH. (Foto: Victor Chileno).

Abrindo os trabalhos em plenário após o recesso de julho, a Assembleia Legislativa aprovou, em segunda votação, na sessão desta terça-feira (1º) o projeto de lei 226/2016, de autoria do deputado Renato Câmara (PMDB), que altera os valores da tabela de serviços do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) e beneficia os idosos de Mato Grosso do Sul.

O projeto, que agora segue para sanção do governador Reinaldo Azambuja, garante às pessoas com idade igual ou superior a 60 anos o direito de pagar um valor proporcional no momento da emissão, remissão e renovação da CNH (Carteira Nacional de Habilitação) ou da PPD (Permissão para Dirigir). A proposta, aprovada por unanimidade pelos deputados, leva em consideração que a validade destes documentos para pessoas idosas é de, no máximo, três anos, enquanto que para os cidadãos mais jovens o prazo é de até cinco anos, mas atualmente ambos pagam o mesmo valor.

“O critério da proporcionalidade na cobrança das taxas decorre do fato de que o prazo de validade da CNH ou PPD para pessoas idosas é de no máximo três anos. Já para os cidadãos mais jovens o vencimento é cinco anos. Os valores das taxas são os mesmos, por isso nada mais justo que cobrar mais barato dos idosos”, justificou Câmara, que destacou a importância da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa para a elaboração da proposta.

Caso o projeto de lei seja sancionado, vai caber ao governo do Estado a forma de aplicação das novas regras, bem como o processo de ressarcimento ao contribuinte que tenha recolhido valor proporcionalmente superior ao efetivamente devido. Também caberá ao Estado estabelecer e regulamentar critérios sociais e financeiros, visando a gratuidade das taxas para os idosos que comprovem não possuir condições para arcar com a despesa.

A proposta de Renato Câmara foi elogiada por diversos deputados, que destacaram a relevância do projeto de lei. Para o deputado Amarildo Cruz (PT), a matéria promove a igualdade e a justiça tributária. “Isso é legislar com qualidade”, disse. Já o deputado Paulo Siufi (PMDB) disse que a proposta traz um grande benefício aos idosos do Estado. O deputado João Grandão (PT) usou a tribuna para defender o equilíbrio no recolhimento e acrescentou que não há impedimento jurídico para sanção governamental.