Preço do etanol cai nas usinas, mas não em postos e ANP apura o motivo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

SÃO PAULO, SP - 02.02.2015: PREÇOS/COMBUSTÍVEIS - Foto de posto gasolina na marginal Pinheiros (zona oeste de SP) - Postos de gasolina de São Paulo já elevaram os preços dos combustíveis no primeiro dia em que passou a vigorar o aumento da tributação sobre combustíveis. O preço do litro da gasolina ultrapassou R$ 3 em alguns estabelecimentos. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
Postos de combustível elevam preços, mesmo com queda nas usinas. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress).

Os preços do etanol continuam sua queda livre nas usinas, conforme dados do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Na última semana, o hidratado fechou em baixa de 15,51% e o anidro com queda de 21,88% no comparativo entre as semanas de 28/03 à 1º/04 e 04/04 à 08/04.

Os preços do hidratado fecharam a última semana cotados nas usinas a R$ 1,4329 o litro, contra R$ 1,6552 o litro da semana anterior. Já o anidro, misturado à gasolina, fechou a última sexta em R$ 1,6465 o litro contra R$ 2,0068 da semana anterior.

Já o indicador Paulínia, medido pela Esalq/BVMF acumula perdas ainda maiores. Desde a última alta, ocorrida em 15 de março, o hidratado já desvalorizou 43,53%, passando de R$ 1.892,50 o m³ em 15/03 para R$ 1.318,50 o m³ em 8 de abril.

Enquanto nas usinas os preços dos biocombustíveis não param de cair, nos postos de combustíveis, conforme apurou a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), os preços fecharam em alta em 15 estados, no comparativo entre as duas últimas semanas. Houve queda em outros 10 estados e no Distrito Federal. A ANP não apresentou os preços no estado do Amapá.

Em São Paulo, principal Estado produtor e consumidor, segundo a Agência Estado, a cotação caiu 1,92% na semana, de 4 a 9 de abril, para R$ 2,703 o litro. No período de um mês, acumula desvalorização de 0,07%. Na semana, a maior alta ocorreu em Rondônia (4,67%) e o maior recuo, em São Paulo.

No Brasil, o preço mínimo registrado para o etanol foi de R$ 2,199 o litro, em São Paulo, e o máximo foi de R$ 4,199 o litro, no Rio Grande do Sul. Na média, o menor preço foi de R$ 2,651 o litro, em Mato Grosso. O maior foi registrado no Rio Grande do Sul, a R$ 3,740 por litro.

Para Arnaldo Luiz Corrêa, da Archer Consulting, “em três semanas o etanol hidratado passou de R$ 1.9500 para R$ 1.6000, enquanto na bomba o preço teve pouca alteração. Quem está ganhando muito dinheiro com o etanol são as distribuidoras e os revendedores. A diferença bruta entre o preço na bomba e o índice ESALQ alcançou seu pico em 2 de abril, segundo apuração de um trader de uma multinacional, de R$ 1,1000 por litro. A margem bruta da distribuidora é recorde com mais de R$ 0,7000 por litro. O posto fica com R$ 0,4000 por litro. E o produtor fica chupando o dedo”. (Rogério Mian, da Agência UDOP).