Estado aguarda conclusão de estudo da Ferroeste para julho

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

ferroeste

O governo de Mato Grosso do Sul divulgou nesta quarta-feira (17) que o estudo técnico e ambiental, mais um passo em direção à privatização da Ferroeste (Estrada de Ferro Paraná Oeste S.A), fica pronto e será assinado em 30 dias. O ato de assinatura do EVTEA (Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental) terá a presença do governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e do governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Junior em julho.

A ferrovia será novo canal de escoamento de grãos, farelo de soja, etanol e açúcar, produtos de Mato Grosso do Sul, até o Porto de Paranaguá, no Paraná. A data de conclusão do estudo foi anunciada na segunda-feira (15) pelo secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) durante a primeira reunião de trabalho depois que o projeto foi qualificado no PPI (Programa de Parcerias de Investimentos) movido pelo governo federal no Ministério da Economia.

Privatização – Além de Verruck, participaram da reunião o diretor-presidente da  Ferroeste André Luís Gonçalves, o secretário da Casa Civil do Governo do Paraná, Luiz Antonio Fagundes e o assessor de Logística da Semagro, Lúcio Lageman. Segundo, Luiz Antonio, o EVTEA foi licitado e contratado pelo Governo do Paraná com recursos do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento). O grupo espera assinar o estudo, com a empresa ganhadora, em 30 dias.

Hoje estatal, o objetivo é conceder a ferrovia à iniciativa privada por meio de leilão na bolsa de valores. O governo trabalha com cronograma para leiloar a Ferroeste na B3 até o final de 2021. A ferrovia foi incluída em lista de rodovias, ferrovias e aeroportos vistos pelo ministro Paulo Guedes como bons investimentos para a iniciativa privada.

Projeto – Com a concessão, um dos objetivos é construir ramal de extensão na ferrovia até Maracaju (MS) com novo canal de escoamento das commodities até o Porto de Paranaguá. O projeto inicial da ferrovia prevê 1.371 quilômetros entre Maracaju e Cascavel (PR), a revitalização do atual trecho ferroviário entre Cascavel a Guarapuava, a construção de uma nova ferrovia entre Guarapuava e Paranaguá e a construção de um ramal multimodal entre Cascavel e Foz do Iguaçu.