Dom Redovino dá nome à avenida que facilita trânsito na região norte de Dourados

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
camara-ddos-sessao-281116-2
Vereadores durante discussão de projetos na noite de segunda-feira. (Foto: Thiago Morais/Assessoria).

A Câmara de Dourados votou em segunda discussão e aprovou por unanimidade na sessão desta segunda-feira (dia 28) o projeto de lei 138/16, de autoria do Poder Executivo, que dá o nome Dom Redovino Rizzardo, bispo emérito da Igreja Católica, a uma avenida localizada na região norte.

“É uma homenagem muito justa a um pastor que por 15 anos prestou um grande serviço à população de Dourados e região. Era um homem amável e conciliador e sempre estava atento aos problemas que ocorriam na sociedade e procurava ajudar sempre. Foi um grande defensor da verdade e da justiça social”, afirma Idenor Machado (PSDB), presidente da Câmara.

A Avenida Dom Redovino começa na Avenida Presidente Vargas e atravessa os condomínios Ecoville, Jardim das Palmeiras, Porto Madero e Porto Seguro. À medida que ocorrer a expansão urbana a avenida se ligará ao Anél Viário Norte.

“É uma homenagem mais que justa por tudo o que ele fez por Dourados. Foi um exemplo de fé, humildade e um homem muito conciliador”, disse na sessão o verador Madson Valente (DEM). Marcelo Mourão, do PRP, lembrou que Dom Redovino sempre respeitou a classe política de Dourados e é um estímulo ao cristão à vivenciar a boa política. Já Sérgio Nogueira, do PSDB, disse que a homenagem é uma forma de eternizar Dom Redovino e tudo o que ele foi para Dourados.

Dom Redovino faleceu este ano aos 77 anos, vitima do câncer. Ele foi ordenado bispo de Dourados em 2001 e há um ano renunciou ao cargo para se dedicar ao tratamento de saúde.

MAIS PROJETOS

Outro projeto de lei aprovado em segunda votação foi o 138/16, do Executivo, que institui e denomina o Parque Ecológico Rômulo Vieira, localizado ao norte do córrego Laranja Doce, ao sul do BNH 3º Plano, Rua Aquidaban, ao leste da Rua Hayel Bon Faker e ao oeste da Avenida Presidente Vargas.

Em primeira votação foi aprovado o projeto de lei complementar 022/16, do Executivo, que altera dispositivo da Lei complementar 164/10, que recepciona o regime jurídico diferenciado, favorecido e simplificado, dispensado às microempresas, às empresas de pequeno porte e ao microempreendedor individual.

Também em primeira votação foi aprovado o projeto de lei 134/16, do Executivo, autoriza a Prefeitura a adquirir, por permuta, o imóvel de propriedade de Jaime Caldeira e Terezinha Almirão Caldeira, com imóvel de propriedade do município. O projeto de lei 136/16, do Executivo, que altera dispositivos da Lei 3.532/12, que instituiu o Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan-Dourados).

Já o projeto de lei 142/16, do Executivo, também aprovada em primeira votação, altera e cria dispositivos na Lei 3.532/12, que institui o PDE (Programa de Desenvolvimento Econômico do Município).

Em primeira e única votação foram aprovados projetos de decretos legislativos que concede honrarias da Câmara à pessoas que contribuíram com a história ou desenvolvimento de Dourados. Vão receber diplomas de honra ao mérito a Academia de Ballet Anna Pavlowa, o pastor Josiel Pereira de Andrade e Ana Paula Benitez Fernandes.

Vão receber títulos de cidadão douradense Cleuza de Fátima Escopel Zornitta, Antônio de Souza Pietramale, Dom Henrique Aparecido de Lima, o deputado estadual Renato Pieretti Câmara, Ademar Roque Zanata e o vigário Alvino Francisco de Souza.

Recebem os títulos de cidadão benemérito e empresário Valdir de Pellegrin e o professor e pesquisador Milton Parron Padovam. Recebe o título de cidadão honorário o bioquímico José Prado Mansor.

TRIBUNA LIVRE

A Tribuna Livre foi ocupada pelo empresário Otávio Benignon Benites, que falou em nome do setor de papelaria de Dourados. O setor sugere a criação em Dourados do Cartão Material Escolar, cujo objetivo é descentralizar as comprar e fazer com que os recursos públicos utilizados na compra do kit escolar seja feita no município.