Confiança cresce, mas pessimismo ainda persiste

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

honorio pinheiro cndl
Humor do empresariado também depende de medidas efetivas do governo, diz presidente da CNDL, Honório Pinheiro. (Foto: Divulgação).

O índice que mede a confiança dos micro e pequenos empresários do varejo e serviços aumentou em junho, mas segue ainda apontando quadro geral de pessimismo. No mês passado, o indicador ficou em 42,93 pontos, um crescimento de 1,77% em relação ao mês anterior e de 18% na comparação com o ano passado. Os dados são do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL).

O indicador segue abaixo do nível neutro de 50 pontos, indicando quadro geral de pessimismo por parte dos pequenos empresários. A escala do indicador varia de zero a 100, sendo que quanto mais próximo de 100, mais confiante está o micro e pequeno empresário consultado.

“Se há otimismo, os empresários estão mais dispostos a assumir riscos para ampliar seus negócios e contratar mais funcionários. Mas o humor do empresariado também depende de medidas efetivas do governo para conter o aumento do desemprego e da deterioração fiscal, o que poderá ser observado nos próximos meses com o desenrolar da crise e dos fatos políticos”, afirma o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

A percepção dos micro e pequenos empresários sobre a economia brasileira também segue pessimista. De acordo com a pesquisa, 84,6% dos empresários consideram que a economia regrediu nos últimos seis meses, contra apenas 4,6% que consideram ter havido melhora.

Já na avaliação de seus próprios negócios, 66,5% dizem ter havido piora no desempenho, enquanto 7,8% dizem ter registrado melhora nos últimos meses.

Segundo a pesquisa, os micro e pequenos empresários melhoraram suas expectativas para os próximos seis meses. No último mês de junho, o indicador marcou 57,39 pontos, alta de 19,2% com relação ao mesmo mês do ano passado.

Na comparação com o mês anterior, as expectativas para a economia passaram de 50,34 pontos, em maio, para 54,78 pontos, em junho. Com essa alta, o indicador manteve-se acima da marca neutra de 50 pontos, indicando que a maior parte desses empresários espera que a economia melhore nos próximos meses. (G1).