Com 20 entidades, Frente terá a missão de destravar a regularização fundiária em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Presidida por Renato Câmara, frente vai discutir políticas públicas relacionadas a regularização fundiária no Estado. (Foto: Wagner Guimarães).
Presidida por Renato Câmara, frente vai discutir políticas públicas relacionadas a regularização fundiária no Estado. (Foto: Wagner Guimarães).

Com a participação de mais de 20 entidades, a Frente Parlamentar de Regularização Fundiária da Assembleia Legislativa tem a missão de alavancar a regularização de imóveis rurais e urbanos em Mato Grosso do Sul. “A Frente dá o primeiro passo. Passo forte e importante, e estamos motivados a buscar resultados. Para isso é necessário trabalhar em conjunto, para se obter o sucesso desejado”, afirmou o coordenador da Frente Parlamentar, deputado Renato Câmara (PMDB). A primeira reunião do grupo de trabalho aconteceu na quarta-feira (10).

O objetivo do grupo de trabalho é discutir, propor e acompanhar a execução de políticas públicas relacionadas a regularização fundiária no Estado. “Estamos em um momento histórico em que se busca a resolução deste problema que é a regularização fundiária no nosso Estado. Fico feliz em perceber a disposição do Incra em ajudar neste processo. Espero contribuir para que os assentados possam receber a titularidade de sua moradia, oferecendo desta forma mais dignidade às famílias”, avaliou o deputado Herculano Borges (SD), que é membro da Frente.

As entidades que fazem parte da Frente destacaram a importância da criação do grupo de trabalho. “A Assembleia Legislativa está de parabéns. Eu não tenho dúvida de que a Frente Parlamentar irá nos ajudar e muito”, admitiu o diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural (Agraer-MS), Enelvo Iradi Felini.

Já o chefe da Divisão de Ordenamento e Estrutura Fundiária do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra-MS), Cláudio Roberto Ferro Júnior, falou da relevância da Frente. “Os conflitos existem e vão continuar existindo e com a Frente temos uma ferramenta que irá auxiliar o Incra em suas ações”, assegurou o representante do órgão.

“Eu vejo com otimismo a criação da Frente Parlamentar e com a soma dos esforços iremos solucionar os problemas da situação fundiária no Mato Grosso do Sul. Temos muito trabalho e necessitamos de muito afinco para chegarmos ao nosso objetivo”, ressaltou o prefeito de Itaquiraí, Ricardo Fávaro Neto, que representou a Associação dos Municípios do Mato Grosso do Sul (Assomasul).

Por fim, o representante da Associação dos Notários e Registradores de Mato Grosso do Sul (Anoreg – MS), Ricardo Fabrício Seganfredo, agradeceu pela instituição fazer parte do grupo. “Nós que trabalhamos com a regularização e observamos o valor do Poder Público em auxiliar neste sentido. Parabenizamos a Casa de Leis pela criação da Frente Parlamentar e faremos tudo que está ao nosso alcance para ajudar essa parcela da população que tanto necessita”, garantiu o chefe do executivo municipal.

Compõem ainda o grupo de trabalho, além das instituições já citadas, a Secretaria Especial da Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário de Mato Grosso do Sul, a Universidade Anhanguera-Uniderp,a Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul (Fetraf-MS), a Federação da Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul (FAF-MS) e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra de Mato Grosso do Sul (MST-MS).

E ainda a Central Única dos Trabalhadores de Mato Grosso do Sul (CUT-MS), a Cresol, a Procuradoria Geral do Estado (PGE), a Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (Uems-MS), a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso do Sul (OAB-MS), Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de Mato Grosso do Sul (Crea-MS), a Defensoria Pública do Estado, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro),a Agência Estadual de Habitação Popular de Mato Grosso do Sul (Agehab-MS), a Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE-MS) e o Ministério Público Estadual.