Geraldo propõe prazo maior para microempresas no pagamento de dívida tributária

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Tramita na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei Complementar 171/15, do deputado Geraldo Resende (PSDB-MS), que altera o Estatuto da Micro e Pequena Empresa (Lei Complementar 123/06). A matéria foi aprovada no final do ano passado pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços e aguarda parecer da comissões de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Posteriormente, será votada em plenário.

O projeto amplia de 60 para 180 meses o prazo máximo de parcelamento das dívidas tributárias das pessoas jurídicas optantes do Simples Nacional. “Trata-se de uma medida necessária e justa em face da imensa crise econômica que assola o Brasil e que determina o fechamento de milhares de postos de trabalho, especialmente nas micro e pequenas empresas”, salienta o autor da matéria.

Geraldo demonstra preocupação com situação de microempresas brasileiras e com o aumento do desemprego. (Foto: Divulgação).

Geraldo demonstra preocupação com situação de microempresas brasileiras e com o aumento do desemprego

Geraldo Resende argumenta ainda que “o momento econômico é muito grave e, por isso, requer que o Poder Público tenha muita compreensão e flexibilidade para minimizar os danos econômicos que atingem, sobretudo, os mais fracos e necessitados”. Seguindo ele, o alongamento do perfil das dívidas tributárias é um recurso válido e plenamente justificável, levando-se em consideração a situação de crise econômica e a necessidade de preservação do emprego e da renda dos trabalhadores.

Relator

O relator do PL na Comissão de Desenvolvimento Econômico, deputado Laercio Oliveira (SD-SE), recomendou a aprovação da matéria. Ele concordou com o argumento de Geraldo Resende de que a medida é necessária diante da crise econômica enfrentada pelo Brasil.

“Em momento de crise econômica, é ideal que o Estado busque estimular o crescimento das micro e pequenas empresas. Agentes econômicos flexíveis, elas proporcionam dinamismo ao mercado brasileiro e trazem vantagens socioeconômicas para o País”, afirmou Laercio Oliveira.

Citando dados do Empresômetro MPE, plataforma desenvolvida pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), Oliveira lembrou que as micro e pequenas empresas representam 93,1% do total de empresas ativas no Brasil e são responsáveis por grande parte dos empregos brasileiros.

A proposta prevê que o governo federal estime a renúncia fiscal decorrente da medida e a inclua no projeto da lei orçamentária caso o projeto seja aprovado e vire lei.