Medo do coronavírus derruba procura por viagens internacionais em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

corona virus

O pânico causado pela pandemia de coronavírus no mundo vêm trazendo muitas consequências para vários setores da economia. Um dos mais atingidos pela crise, sem dúvidas, é o setor de turismo internacional, que já sofre grandes prejuízos frente ao surto do Covid-19.

O mesmo ocorre com o setor em Mato Grosso do Sul que já registrou cancelamentos de viagens internacionais, troca de destinos e mesmo preferência por viagens nacionais, e resorts no Nordeste.

Mesmo assim em tempos de crise e temor, algumas operadoras de turismo trabalham com promoções nas viagens internacionais fora das áreas de maior risco. Os descontos podem chegar a 50% em alguns destinos para o 2º passageiro, períodos mais curtos, entre outros benefícios.

De acordo com a vice-presidente da Associação Brasileira de Agências de Viagens (ABAV) MS, Cristina Albuquerque, o que está ocorrendo tanto pela alta do dólar quanto ao coronavírus é que muitos consumidores estão mudando destinos e cancelando viagens internacionais.

“O que está acontecendo é que tem promoções surgindo para Nova Iorque, Miami, Canadá. Ou seja o setor está fazendo promoção para outros locais onde ainda não haja pandemia de coronavírus. Algumas pessoas que estavam indo pra Europa, mudaram para o Caribe, por exemplo, para esperar o frio passar. Outras migraram para o Brasil, principalmente em resorts no Nordeste”, frisou.

Ela destacou ainda que algumas companhias aéreas isentam a multa caso o passageiro esteja gripado, doente, indiosposto, ou com com medo de viajar. “Diante do medo das pessoas de viajar ou alterar datas, as aéreas estão ausentando multa”, frisou.

Direitos – De acordo com o superintendente do Procon/MS, Marcelo Salomão, quem tem passagens compradas com destinos onde tem surtos de coronavírus pode pedir cancelamento sem custo.

“Entendemos que a pessoa não pode ser punida duas vezes, ou seja deixar ir viajar, fazer seu lazer em férias ou ao trabalho tendo prejuízos e além disso ter que pagar uma multa por conta do cancelamento da viagem”, esclareceu ele.

Salomão diz que o Procon entende que não é devido pagamento de multa pelo principio do artigo 6º do Código de Defesa do Consumidor, que destaca que a saúde do consumidor deve estar sempre garantida na relação de consumo.

O inciso 1 do artigo 6º do CDC prevê que é direito básico do consumidor “a proteção da vida, saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos”.

No caso, o risco seria a contaminação e propagação de COVID-19. Já o inciso 5 prevê que também é direito básico revisar cláusulas contratuais “em razão de fatos supervenientes”. Ou seja, a cláusula que prevê a multa pode ser modificada em meio a uma situação excepcional.