Leilão vai limitar desconto em pedágio

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O novo modelo de leilão de rodovias que será testado neste ano pelo governo Jair Bolsonaro deve levar a um desconto nas tarifas de pedágio bem menor do que o praticado nas últimas concessões.

O Ministério da Infraestrutura acredita que a nova modelagem é necessária para se desviar de fracassos que marcaram a terceira rodada de leilões rodoviários, quando a média de deságio no valor do pedágio oferecido pelas concessionárias vencedoras chegou a 50%.

A princípio mais atrativa para os usuários, a tarifa agressivamente mais baixa acabou se tornando, na avaliação do governo, um dos empecilhos para as concessionárias bancarem o cronograma de obras e investimentos.

No modelo “híbrido” – misturando na disputa menor tarifa de pedágio com maior valor de outorga (valor pago para exploração do bem público) e que será usado em ao menos dois dos sete leilões rodoviários previstos para este ano -, o governo pretende impor um teto de desconto de até 12%. Caso haja empate nas propostas, o leilão vai para uma segunda etapa, no qual as empresas disputam o ativo oferecendo o maior valor de outorga. Hoje, só existe uma fase, a de menor tarifa, mas sem teto de desconto.

Ao estabelecer um porcentual máximo, a pasta comandada pelo ministro Tarcísio de Freitas procura desestimular a entrada de aventureiros na concorrência e garantir a sustentabilidade a longo prazo dos projetos. “Quando parte para o modelo híbrido, permite um deságio que preserva a sustentabilidade financeira. Blinda o projeto”, disse a secretária de Planejamento, Desenvolvimento e Parcerias do Ministério da Infraestrutura, Natália Marcassa.

Por enquanto, a previsão é de que esse formato seja aplicado na BR-153/414/080, entre Goiás e Tocantins (máximo de 10% de deságio), e na BR-381/262 entre Minas Gerais e Espírito Santo (máximo de 12% de deságio). Em comum, essas concessões exigirão das empresas vencedores um grau alto de investimento: R$ 7,6 bilhões na BR-153 e R$ 9,1 bilhões na BR-381. Para os trechos que não terão esse nível de desembolso, a ideia é utilizar o modelo tradicional, ou seja, extrair das empresas no leilão o menor preço de tarifa que puderem ofertar.

O governo chegou a enviar à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) os estudos de concessão da BR-163, entre Mato Grosso e Pará, prevendo a modelagem híbrida, mas desistiu de aplicar o formato. Nela, o investimento previsto é de R$ 1,7 bilhão, com prazo da concessão de apenas dez anos. Natália lembra que o foco para a ligação entre os dois Estados é o projeto da ferrovia Ferrrogão.