Alteração na história de Dourados gera discordância

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
revisao-historica_1411-01
Parte da Comissão de Revisão História de Dourados entregou na manhã desta segunda-feira documento ao prefeito Murilo se posicionando contra sugestões de alterações na história da cidade. (Foto: Chico).

Com a apresentação de sugestão de alteração em pelo menos dois itens da história de Dourados, começam a surgir oficialmente as discordâncias. O relatório destacando as propostas, foi entregue recentemente ao prefeito Murilo, pelo presidente da Comissão de Revisão Histórica de Dourados o professor Carlos Magno Mieres Amarilha e, pelo jornalista Nicanor Coelho, também integrante da Comissão.

As sugestões são de alterar a data de aniversário de Dourados, comemorada em 20 de dezembro e, de retirar do Brasão do município, a frase “Terra de Antônio João”.

Um grupo de integrantes da própria Comissão de Revisão, também procurou o prefeito Murilo, nesta segunda-feira, quando apresentou, formalmente, um documento com manifestação contrária ao relatório.

Ele é assinado pelo vice-prefeito, Odilon Azambuja; Paulo César Marques Torraca; Valter Mário Silva Castro; José Tibiriçá Martins Ferreira; Rozemar Mattos Souza; Oduvaldo de Oliveira Pompeu; Elizabeth Rocha Salomão, Antônio Luiz Nogueira e Solenyr Araújo Moraes.

“Deixamos evidenciada nossa discordância com a mudança da data de aniversário de Dourados e com qualquer item constante no relatório, do qual não tivemos a oportunidade de participar ou opinar”, cita o documento.

O vice-prefeito Odilon Azambuja, diz que a Comissão foi criada em 16 de maio de 2013 para debater dados históricos de Dourados para fins de conhecimento da sociedade e não para sugerir qualquer tipo de mudança no que já está sacramentado nos anais da história. “A maioria dos integrantes já posicionou desde o inicio que seriam contra qualquer tipo de mudança no que já está sacramentado e documentado”, afirmou.