Fim do auxílio emergencial tira mais de R$ 450 milhões da economia de MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O auxílio emergencial, criado para amenizar o impacto da pandemia da Covid-19 no País, injetou mensalmente R $ 500 milhões na economia de Mato Grosso do Sul. O montante é 23 vezes maior do que o Bolsa Família destinava mensalmente em benefícios ao Estado.  

Dados do Ministério da Cidadania apontam que, em janeiro de 2020, o Bolsa Família destinou R $ 21 milhões a 115,4 mil famílias beneficiárias no Estado – o valor médio do benefício era de R $ 182. Já o auxílio emergencial destinava, em média , R $ 500 milhões mensais a 860 mil pessoas assistidas pelo programa.  

O auxílio emergencial foi criado em abril e destinado a pessoas pertencentes ao Bolsa Família, ao Cadastro Único ou que comprovadamente não tinha renda. 

De acordo com a Caixa Econômica Federal, somando como cinco parcelas de R $ 600 e como outras quatro parcelas de R $ 300, foram R $ 3,5 bilhões em recursos a Mato Grosso do Sul.  

Segundo o Ministério da Cidadania, nas cinco primeiras parcelas foram disponibilizados R $ 2,91 bilhões no Estado. 

A extensão de R $ 300 do benefício não chegou a todos os beneficiários assistidos nas cinco primeiras parcelas.

Das 860 mil pessoas beneficiadas com o auxílio emergencial em Mato Grosso do Sul, 162 mil eram do programa Bolsa Família, 191,8 mil do Cadastro Único e 505 mil se cadastraram voluntariamente para receber os recursos.