Estado e municípios têm direito a R $ 105 milhões de verba extra da Cide

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

dinheiro extra

Prefeituras e Governo sul-mato-grossenses TEM Direito de R $ 105,4 Milhões referentes a parte de transferência de Recursos da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide- Combustíveis ), Que deixou de Ser Feita Pelo Governo desde Federal de 2004. Em 12 de anos, a dedução sobre a Cide retirou R $ 4 bilhões de estados e municípios.

A possibilidade de recuperar estes recursos surgiu porque o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional a dedução da parcela referente à Desvinculação de Receitas da União (DRU) do montante a ser repartido com estados, Distrito Federal e municípios da arrecadação do Cide.

A decisão sobre uma Ação Direta de Inconstitucionalidade ocorreu em 21 de agosto, após quase três anos da suspensão cautelar do ex-ministro Teori Zavascki sobre a parte final do artigo 1º-A da Lei 10.866 / 2004.

Os ministros da Corte confirmam o entendimento de Zavascki, decidindo que os efeitos da decisão são retroativos à data da lei, o que possibilita a classificação dos valores que são aceitos com a União.

Parcela

De acordo com levantamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM), de 2004 a 2016 estados e municípios aprove de receber R $ 4,21 bilhões, e os municípios têm direito a 25% da parcela que cabe aos estados, o que corresponde a R $ 1.052 bilhão.

Deste valor, R $ 105,4 milhões pertencem a Mato Grosso do Sul. São R $ 79,1 milhões para os cofres do governo do Estado e outros R $ 26,3 milhões para 79 prefeituras.

Só em 2016, o Estado foi prejudicado em R $ 14 milhões. A partir de 2017, a decisão liminar, a dedução não pôde ser mais feita.

De acordo com a confederação, considerando uma desvinculação de 2004 a 2015, foram elevados transferidos aos Estados 23,2% do arrecadado com a Cide e não 29% determinados em lei, ou, seja houve uma perda de 5,8%.

Em 2016 foi mostrado transferido, considerando uma desvinculação de 30%, um porcentual de 20,3% e não os 29%. Nesse ano a perda ficou em 8,8%.

Para tentar recuperar os valores sem recorrer ao Poder Judiciário, a confederação está em diálogo com os representantes do Ministério da Economia para tentar fazer compensações, afirmou a supervisora ​​do Núcleo de Desenvolvimento Econômico do CNM, Thalyta Alves.

Legislação

Os estados passaram a ter direito a 25% da Cide com a Emenda Constitucional (EC) 42/2003. Um ano depois, com a EC 44/2004, esse porcentual subiu para 29%.

Contudo, a mesma emenda prorrogou de 2003 a 2007 a desvinculação, pela União, de 20% das receitas de contribuições sociais e de intervenção no domínio econômico.

Depois foi novamente prorrogada; a desvinculação que o desvio do caráter temporário acabou sendo fixada em 20% até 2015 e 30% de 2016 a 2023, o que reduziu o repasse da Cide Combustíveis.

Entretanto, o Acre entrou com ação questionando a constitucionalidade da desvinculação.

A alegação foi que as normas seriam contrárias ao que determina a Constituição Federal, que é a distribuição de 29% da arrecadação da Cide para os estados e o Distrito Federal. Obtenha a liminar e agora a decisão definitiva do STF.