Renato vai propor novas faixas de consumo para baratear energia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

O deputado estadual Renato Câmara (MDB) anunciou hoje (24), após encontro com os diretores da Energisa em Mato Grosso do Sul, que vai propor nas próximas semanas ao governo do Estado a realização de estudos de viabilidade visando a aplicação de mudanças no sistema de tributação do ICMS (Imposto Sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre as contas de energia elétrica no Estado. Uma das possibilidades discutidas pelo deputado no encontro com os diretores da Energisa é a criação de novas faixas de consumo e alíquota para incidência do imposto, medida que pode contribuir para baratear o preço da energia no Estado.

Deputado Renato Câmara se reuniu com diretores da Energisa para cobrar medidas conjuntas entre a concessionária e o poder público para baratear o preço da energia elétrica no Estado
Deputado Renato Câmara se reuniu com diretores da Energisa para cobrar medidas conjuntas entre a concessionária e o poder público para baratear o preço da energia elétrica no Estado

Após receber centenas de reclamações, Renato Câmara esteve na sede da concessionária em Campo Grande para averiguar as causas e os fatores que ocasionaram o aumento considerável no valor das contas de energia de milhares residências no Estado e para discutir a implantação de medidas que possam minimizar os impactos ao consumidor final.

No encontro, o diretor-presidente da Energisa, Marcelo Vinhaes, apresentou ao deputado gráficos e planilhas e afirmou que o aumento nas contas foi ocasionado pelas altas temperaturas registradas no Estado e o período de férias escolares (que contribuíram para o aumento no consumo da energia e consequentemente no seu valor), mas que indiretamente também está relacionado ao modelo de tributação da energia em MS. “A alíquota do ICMS é escalonada, ou seja, à medida que o consumo aumenta, o cliente paga um valor maior da sua conta de energia em impostos”, afirmou Vinhaes. Em dezembro do ano passado, o consumo de energia foi recorde em Mato Grosso do Sul.

No Estado, existem atualmente três alíquotas de tributação da energia elétrica para os consumidores residenciais e rurais. Aqueles que consomem de 01 a 50 kwh (quilowatt-hora), são isentos de pagar o ICMS. Depois de 51 a 200 (kwh), é cobrado 17%, seguindo de 201 a 500 (Kwh) com 20% e acima de 501, com cobrança de 25%. Se comparada a outros estados como São Paulo e Tocantins, a cobrança em Mato Grosso do Sul é superior. Em São Paulo, por exemplo, quem consome até 90 (Kwh) não paga imposto, de 91 a 200 (Kwh) são tributados 12% e acima de 201 (Kwh) apenas 18%.

“Recebemos centenas de pedidos e reclamações de pessoas de todo o Estado relacionados ao aumento no valor da conta da energia elétrica. Em alguns casos, o aumento foi superior a 100%. Diante da situação, solicitei uma agenda com a diretoria da Energisa, onde nos apresentaram todos os dados e os fatores que geraram esse aumento tão considerável e que pesa tanto no bolso do sul-mato-grossense. Durante o encontro, também constatamos que essa alta passa pela incidência do ICMS sobre a energia elétrica. Hoje só fica isento quem consume até 50 Kwh. A partir disto, já se aplica uma tributação de 17% e que pode chegar a 25% do valor da energia, conforme o consumo da residência. Considero esse índice muito elevado. Vamos conversar com o governo do Estado e avaliar se há viabilidade financeira para criar novas faixas de incidências de ICMS para fazermos uma distribuição mais justa e com aplicação de alíquotas menores. Por exemplo, ao invés de cobrar 17% de ICMS para quem consume até 200 Kwh, começar com um índice entre 7% e 10% e ir elevando essa tributação conforme a faixa de consumo de cada residência. Essa revisão da alíquota do ICMS cobrada para cada consumidor certamente barateará o preço da energia, beneficiando milhares de pessoas”, destacou Renato Câmara.