MS tem a maior alta no custo da construção e m² passa de R$ 1 mil

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Henrique de Matos

Mato Grosso do Sul registrou em maio a maior alta no custo da construção civil entre os 27 Estados do país. Conforme pesquisa divulgada ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o custo para edificar o metro quadrado no Estado subiu 3,57% no mês passado, passando de R$ 981,24 para R$ 1.016,26.

O Estado ficou a frente até de São Paulo, cuja inflação foi de 3,27%. O motivo da alta expressiva é o reajuste salarial do acordo coletivo dos funcionários do setor em MS. Nos últimos doze meses, o custo subiu 10,76%, em MS. Esse acumulado só perde para o percentual percebido no Pará, cuja elevação foi de 11,19%, durante o período.

Custo para edificar o metro quadrado no Estado subiu 3,57% no mês passado, passando de R$ 981,24 para R$ 1.016,26 (Foto:Arquivo)
Custo para edificar o metro quadrado no Estado subiu 3,57% no mês passado, passando de R$ 981,24 para R$ 1.016,26 (Foto:Arquivo)

Na região Centro-Oeste, o Estado de Mato Grosso teve queda de 0,41% no preço, que está em R$ 987,35. Na região, o local mais caro para se construir é o Distrito Federal, onde o custo é de R$ 1.030,74, após aumento de 0,07% em maio.

São Paulo e Mato Grosso do Sul são os únicos Estados a registrar alta na casa de 3%. A média nacional é de apenas 0,83%. O preço para construir o metro quadrado teve queda de 0,23% no Sergipe; de 0,25% na Paraíba; 0,41% no Amazonas e de 0,06% no Acre.

BRASIL

O custo nacional da construção por metro quadrado que, em abril, fechou em R$ 989,37, subiu para R$ 997,60 em maio, sendo R$ 527,68 relativos aos materiais e R$ 469,92 à mão de obra.

A parcela dos materiais variou 0,17%, ficando 0,10 ponto percentual abaixo da taxa de abril (0,27%). Já a parcela da mão de obra, apresentou variação de 1,58%, subindo 0,89 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,69%). De janeiro a maio, os acumulados são de 2,25% (materiais) e de 5,03% (mão de obra), sendo que, em 12 meses, ficaram em 4,50% (materiais) e 9,22% (mão de obra).