Geração de empregos dobra em um ano em MS, aponta Caged

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Coamo inaugura planta industrial nesta segunda-feira em Dourados e deve gerar 250 empregos diretos
Coamo inaugura planta industrial nesta segunda-feira em Dourados e deve gerar 250 empregos diretos

Mato Grosso do Sul  mais que dobrou a geração de empregos em um ano. De janeiro a outubro de 2019, foram gerados 19.759 empregos no Estado, aumento de 143,93% no comparativo com os dez meses de 2018, quando o número era de 8.100 vagas. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e foram divulgados ontem pelo Ministério da Economia. A gestão estadual reforça que, com a atração de novos empreendimentos, o Estado tem se destacado na geração de empregos.

Os setores com os melhores resultados entre admissões e demissões, no acumulado do ano, foram serviços, agropecuária e comércio. Entre janeiro e outubro, foram geradas 11.345 novas vagas no setor de serviços, na agropecuária 3.339 empregos formais, no comércio (2.210),  1.838 na indústria de transformação, construção civil (860), extrativa mineral (155) e 14 nos serviços industriais e de utilidade pública. O único setor que apresentou saldo negativo no ano foi a administração pública (-2).

O saldo em 12 meses, de outubro de 2018 a outubro de 2019, foi de 8.399 vagas de emprego. Em outubro, o saldo ficou positivo, com a geração de 691 vagas, resultado de 19.376 admissões contra 18.684 demissões. No mês, o destaque para a criação de vagas foi o comércio, com 899. Ainda entre os saldos positivos ficou a agropecuária, com 173 empregos formais.

Já o maior saldo negativo  ficou com o setor da construção civil, com 136 desligamentos, o setor de serviços registrou 134 empregos a menos, seguido da indústria de transformação (-58), serviços industriais de utilidade pública (-41), extrativa mineral (-7) e administração pública (-5).

Entre os municípios que mais geraram empregos em 2019, Dourados liderou o ranking, com 6.577 empregos formais em dez meses. A cidade terá ainda neste mês a inauguração da Coamo, uma indústria de processamento e outra de refino de soja.

Na sequência, Campo Grande registrou a abertura de 3.650 empregos formais, resultado de 85.379 admissões e 81.729 desligamentos.

INDÚSTRIA

Durante agenda em Dourados, o governador destacou a geração de empregos no complexo industrial da Coamo. Durante a fase de construção da indústria, foram criados 1.600 empregos diretos e, no funcionamento das indústrias, serão mais de 300 empregos diretos. O governador Reinaldo Azambuja destacou a pujança do Estado. “Vocês viram o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que Mato Grosso do Sul tem a segunda menor taxa de desemprego do País. Isso significa que nós estamos em um ritmo bom. Trocar imposto por emprego, fomentar a economia. O PIB de Mato Grosso do Sul cresceu quatro vezes mais que o PIB brasileiro. Isso quer dizer que o nosso Estado cresceu quatro vezes mais que o Brasil. Isso é bom. Fomenta geração de empregos, as oportunidades para a nossa gente. E a Coamo acreditou em Mato Grosso do Sul”, afirmou.

De janeiro a outubro, a agropecuária registrou 33.022 contratações e 29.683 desligamentos em Mato Grosso do Sul. O secretário de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, disse que a chegada da cooperativa movimentará uma cadeia e gerará vários empregos indiretos. “Acredito que a vinda da Coamo é um marco como tantas outras indústrias e plantas industriais que vieram e que não geram apenas emprego direto para o município [Dourados] ou vizinhos, mas para o ambiente de negócio: fornecedor, hotel, serviço, estrutura logística em torno de um negócio desse que materializa o crescimento de Mato Grosso do Sul”.

Já o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, explicou que as conversas para a instalação das unidades tiveram início em março de 2015 e que a implantação do complexo atende à política de industrialização de Mato Grosso do Sul. “O governador Reinaldo Azambuja percebeu a necessidade de agregar valor aos produtos do Estado. Mato Grosso do Sul é exportador de soja, vende para outros estados e países e também é consumidor. A Coamo vai ao encontro da agroindustrialização e geração de empregos locais”, disse.

Ele contou ainda que a escolha do local para a implantação do complexo industrial foi da Coamo leva em consideração aspectos logísticos, como a localização de silos e o mercado consumidor.

Uma das metas da cooperativa com a nova planta é facilitar a chegada de produtos com sua marca até clientes finais de estados do Centro-Oeste e Sudeste. A Cooperativa Agroindustrial conta com instalações em três estados – Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul – e está presente em 71 municípios, com um quadro de oito mil funcionários.