Dourados vai tributar operadoras de cartões de crédito

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

Secretário estadual de Fazenda, Marcio Monteiro, firma convênio com prefeita Delia Razuk e o secretario João Fava Neto. (Foto: Divulgação)
Secretário estadual de Fazenda, Marcio Monteiro, firma convênio com prefeita Delia Razuk e o secretario João Fava Neto. (Foto: Divulgação)

Durante encontro com o secretário estadual de Fazenda, Márcio Monteiro, a prefeita Délia Razuk e o secretário de Fazenda de Dourados, João Fava Neto, assinaram, nesta quinta-feira (5), em Campo Grande, termo de colaboração para o acompanhamento da movimentação financeira relacionada com a cobrança do ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) por parte de empresas prestadoras de serviços de cartões de crédito, em operação de débito/crédito no Município. O programa faz parte da política de parcerias estabelecida pela prefeita com o governador Reinaldo Azambuja.

A medida integra conjunto de normas contido na LC (Lei Complementar) 334, de 29 de setembro de 2017, que atualizou a LC 071/2003, que instituiu o Código Tributário Municipal. De acordo com o chefe do Departamento de Administração Tributária da Prefeitura de Dourados, Claudio Matos, o convênio firmado com o Estado visa facilitar o acesso às informações quanto ao movimento dessas operadoras, para efeitos de cálculos relacionados ao ISSQN.

O Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza foi criado pela Constituição Federal de 1967 e mantido na Lei Maior de 1988, condicionado à Lei Complementar 116/2003, em substituição ao Decreto-Lei 406/68, que definiu uma lista contendo os serviços a serem tributados. O Código Tributário Municipal apenas acompanha a lista de serviços contida na legislação federal.

No caso dos serviços prestados pelas administradoras de cartão de crédito e débito, o valor do imposto é devido ao Município declarado como domicílio tributário da pessoa jurídica ou física tomadora do serviço, e os terminais eletrônicos ou as máquinas das operações efetivadas deverão ser registrados no local do domicílio do tomador, no caso, Dourados, conforme rege a LC 334, aprovada pela Câmara de Dourados.

REDESIM

Dourados já faz parte [foi o 26º município do Estado a aderir] da Redesim (Rede Nacional para a Simplificação do Registro e da Legalização de Contribuintes, Empresas e Negócios), sistema que permite a integração de todos os processos dos órgãos e entidades responsáveis pelo registro, inscrição, alteração e baixa das empresas, por meio de uma única entrada de dados e de documentos, que pode ser acessada via internet.

Através desse sistema, o empresário tem a ciência das obrigações que deve atender para exercer a atividade empresarial frente ao município antes mesmo de formalizar uma empresa na Receita Federal e Junta Comercial, podendo assim analisar a viabilidade dos investimentos.