Da fábrica ao consumidor, nova placa fica 7 vezes mais cara em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

placa

Da indústria de confecção das chapas metálicas, até a cobrança ao motorista em empresas estampadoras de Mato Grosso do Sul, as placas de identificação veicular no padrão Mercosul passam por caminho de cobranças de tributos e serviços que vão incidir pesado sobre o consumidor final. É o que alegam as estampadoras que são alvos de polêmica e intervenção do Procon-MS.

O valor unitário na indústria, pago pelas credenciadas, varia de R$ 17 a R$ 19. Atinge cerca de R$ 35 quando acrescidos tributos estaduais e federais, mas fica entre R$ 266 e R$ 280 (o par) para carros, quando a conta chega ao consumidor.

O valor, segundo as empresas, é turbinado pelos custos como energia elétrica, luz, funcionários, aluguel, compra de equipamentos, além, claro, da margem de lucro. Na ponta do lápis, o preço final do par representa 7 vezes o desembolsado pela dupla de placas na indústria.

O valor foi considerado alto pelos empresários do setor ouvidos pela reportagem nos estados do Espírito Santo e Paraná, unânimes em dizer que a tendência será de queda, por conta da entrada de outras estampadoras no mercado. Porém dizem que é impossível se cobrar menos de R$ 100 pelas placas, justamente pelos tributos e custos.

“Você não pode explorar o teu cliente, mas tem que ganhar o mínimo para sobreviver”, disse o proprietário de contadora de Cascavel (PR), que presta serviço a estampadoras na região e preferiu não se identificar.

O Paraná se antecipou à resolução do governo federal e iniciou o emplacamento com padrão Mercosul ainda em dezembro de 2018, sendo responsável, entre janeiro e fevereiro de 2019, por 30% das placas adotadas no Brasil. No Estado também há pelo menos duas fábricas credenciadas para confecção da placa, uma delas, que atenderá o mercado em Mato Grosso do Sul.

O contador lista os tributos pagos pelas empresas: além do ISSQN (Imposto sobre Serviço de Qualquer Natureza) e o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços), há ainda as alíquotas do PIS/Cofins e IR (Imposto de Renda). “Se cobrar R$ 150 é um preço razoável, menos de R$ 80 não tem condições”, sentenciou.

O dono de uma estampadora em Cascavel (PR), consultado pela reportagem, considerou os valores cobrados em Mato Grosso do Sul caros, mas avisou que o Estado deve passar pelo mesmo processo que aconteceu no Paraná, que hoje cobra, em média, R$ 150 pelo par da placa para carro e R$ 100 para motos. “O cidadão que vender a placa por menos de R$ 100 e fizer menos de 100 placas por mês, não ganha nada”, disse.

No Espírito Santo, o proprietário de estampadora, que preferiu não ter o nome divulgado, entrou no mercado em janeiro de 2019 e lembra que as empresas começaram cobrando R$ 220. Na região, a adequação às placas Mercosul começou no fim de 2018. “Mas aí a concorrência veio forte, tem município que cobra R$ 80, o preço foi lá embaixo”. O empresário cobra R$ 130 pelo par da placa veicular para carros e R$ 100 para motos.

Em Campo Grande, os custos das estampadoras e a carga tributária foram as alegações para o valor anteriormente fixado pela Íons Comércio de Placas para Veículos Ltda. O advogado da empresa, Ewerton Belinatti, disse que a empresa irá retirar da margem de lucro, 30%, para reduzir o valor, conforme acordo firmado hoje com Procon-MS.