1º trecho da rodovia bioceânica será entregue em setembro

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print
Obra de rodovia que liga MS ao Pacífico terá 1° trecho concluído até setembro
Obra de rodovia que liga MS ao Pacífico terá 1° trecho concluído até setembro

A pavimentação da rodovia entre Carmelo Peralta e Marechal Estigarribia, vai consolidar o projeto da rota bioceânica por meio do Paraguai, seguindo pelos países da América do Sul até chegar ao Oceano Pacífico. Ela será importante para exportações e economia de Mato Grosso do Sul. A previsão é entrega da obra em 2022.

A rodovia que passa pela região do Cacho, chamada de “Pantanal Paraguaio”, tem um trecho de 497 km até chegar a Marechal Estigarribia, chegando à fronteira com a Argentina. Ela é estratégica porque é um caminho que ainda não tem asfalto, sendo importante para seguir o roteiro até chegar aos mercados asiáticos, que mais compram produtos do Brasil e da América do Sul.

De acordo com o governo, depois que chega a Argentina, existe rodovias bem pavimentadas até a os portos de Iquiqui e Antofagasta, no Chile, que se seguir desde Campo Grande, tem uma distância de 1.900 km.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) está confiante no projeto, tanto que recebeu o compromisso do presidente do Paraguai, Mário Abdo Benítez, que todo o conjunto de obras no país vizinho, que faz parte do corredor (bioceânico) vai estar pronto até 2023. Além da rodovia, existe a ponte sobre o Rio Paraguai, que liga Porto Murtinho a Carmelo Peralta.

Reinaldo ponderou que além de Mato Grosso do Sul, todo o Brasil e os países da América do Sul vão ser beneficiados com esta rota, já que irão encurtar o caminho ao Pacífico, tornando seus produtos mais competitivos para exportação, e ainda mencionou que até para importar itens de fora, ficará mais barato.

Também fez questão de frisar que haverá melhorias ao turismo, área cultural e geração de emprego, porque vai desenvolver toda região de fronteira, entre Brasil e Paraguai. Segundo o governo, o desafio para pavimentar a rodovia paraguaia lembra os desafios encontrados no Estado, para implantar 220 km da BR-262, cortando o Pantanal de Miranda a Corumbá, ainda na década de 80.

Obra – O engenheiro Paulo Soares, da empresa da Queiróz Galvão, revelou que a primeiro fase (rodovia) de 227 km está sendo pavimentada em duas frentes, com previsão de ser entregue o primeiro lote (24 km) em setembro. A expectativa é manter esta média a cada três meses.

Ele mencionou que a equipe transporta pedras de uma distância de 400 km. “O material existente é muito úmido e de baixa qualidade, que está sendo melhorado com uma composição com cal e cimento”, explicou. Só na primeira etapa do projeto se tem previsão de gasto de U$ 420 milhões.

No momento o serviço está sendo feito na região do “Chaco” que conta com o maior fluxo de água, tendo a disposição das empresas 400 equipamentos e 600 operários. Já na segunda fase, que será de 220 km, a licitação será feita ainda neste ano pelo governo paraguaio.