Renato Câmara propõe a criação do diploma “Amigo do Transplante”

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

bc_mandioca_0606

Em homenagem àqueles que prestam ou prestaram relevantes serviços à população sul-mato-grossense na área de transplantes de órgãos, o deputado estadual Renato Câmara (MDB) apresentou o Projeto de Resolução 34/2019, nesta quarta-feira (14). A proposta pretende criar o Diploma de Honra ao Mérito Legislativo “Amigo do Transplante”, a ser conferido anualmente pela Assembleia Legislativa.

A honraria é destinada a homenagear pessoas físicas ou jurídicas. “Trata-se de mais uma oportunidade para que a sociedade possa reconhecer e estimular pessoas ou instituições que notoriamente empreenderam ou empreendem esforços em favor da realização de transplantes de órgãos no âmbito de Mato Grosso do Sul”, justificou o autor.

Se o projeto for aprovado, a concessão do diploma poderá será feita por iniciativa de qualquer parlamentar da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul (ALMS) – tendo em vista que a Casa de Leis terá competência exclusiva sobre a matéria – e será entregue em sessão solene. “Essa proposta reforçará os trabalhos realizados pelo Central Estadual de Transplantes, ao estabelecer, em um evento solene, o reconhecimento social que é merecido por aqueles que diariamente trabalham para salvar vidas e também para chamar a atenção da sociedade acerca da importância da doação de órgãos como um ato de amor e solidariedade”, reforçou o deputado.

De acordo com a CET/MS, no ano passado foram feitos 175 transplantes de córneas, 17 de rins e seis de ossos. Foram aproximadamente 50 doadores de órgãos efetivos, sendo encaminhados para outros Estados 10 corações, 40 córneas, 31 fígados, cinco pâncreas, dois pulmões e 75 rins.

No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, 25.396 pessoas estão na fila a espera de um transplante de órgão e 8.825 na fila a espera de córneas – que são tecidos. O órgão mais doado no Estado é o que tem a maior fila de pessoas na espera no Brasil, o rim. São 23.223 aguardando um transplante.

APOIO

Renato Câmara tem trabalhado na Assembleia Legislativa para estimular as atividades de promoção e apoio à doação de órgãos e tecidos para fins de transplantes e sensibilizar a população sobre a importância do tema. No primeiro semestre deste ano, o deputado apresentou o projeto de lei instituindo a Semana de Incentivo a Doação de Órgãos Humanos para Transplantes, que será comemorada de 21 a 27 de setembro. “É uma forma de ajudarmos milhares de pessoas que lutam para salvar suas vidas”, salientou.

A Lei 10.211, de 23 de março de 2001, dispõe que a retirada de órgãos e tecidos de pessoas falecidas para a realização de transplante depende da autorização da família. “A recusa pode estar ligada à falta de informação. Por isso, a necessidade de esclarecimentos”, acrescentou Câmara.