Presidente da Coamo homenageado por investimento

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

 

 

coamo-aprova-ind-ddos-230316-veread-600x294
Vereadores de Dourados presentes da assembleia da Coamo, que aprovou a indústria de Dourados. (Foto: Divulgação).

A Câmara de Dourados homenageia no dia 5 de dezembro o engenheiro agrônomo José Aroldo Galassini, presidente da Coamo Cooperativa Agroindustrial. Ele recebe o título de Amigo Honorário da Câmara Municipal de Dourados. A homenagem será feita numa sessão solene realizada, às 18h, antes da sessão ordinária da Câmara.

Galassini é considerado amigo da Câmara por liderar o processo de construção de um complexo industrial na cidade, com investimento previsto de mais de R$ 600 milhões. Será uma esmagadora de soja e uma unidade de produção e envasamento de óleo de soja.

O presidente da Câmara, Idenor Machado, destaca o investimento como muito importante para a geração de empregos e arrecadação de impostos para o município. “É um investimento que gera emprego e renda, agrega valor à cidade porque é uma marca forte, promove negócios indiretamente e ajuda a atrair novos grandes investimentos”, afirma Idenor.

Galassini estará presente na sessão solene para receber a homenagem no dia 5. No dia seguinte, 6, ele recebe autoridades e lideranças empresariais do Estado para lançar a pedra fundamental da indústria, no BR-163, próximo ao Posto da Capela, saída para Caarapó.

O investimento foi aprovado pelo quadro social da cooperativa no dia 23 de março, durante Assembleia Geral Extraordinária, realizada em Campo Mourão (PR), onde fica a sede da empresa. Uma comitiva formada por 10 vereadores de Dourados participou da assembleia. A presença dos vereadores no encontro dos cooperados atende a um convite da superintendência da Coamo em Mato Grosso do Sul. Eles foram conhecer de perto a estrutura da sede da cooperativa. Visitaram inclusive uma indústria e lojas de comercialização.

A unidade industrial de processamento de soja terá capacidade para 3 mil toneladas por dia e a refinaria de óleo de soja capacidade para 720 toneladas por dia. Dourados foi escolhida pelo seu posicionamento estratégico em relação aos entrepostos da cooperativa no Estado e porque o volume de soja recebido pela cooperativa no Mato Grosso do Sul comporta perfeitamente o processamento.

O óleo de soja sairá de Dourados pronto para a comercialização e o seu mercado principal será Mato Grosso do sul e ainda as regiões sul e sudeste do país. A indústria vai receber incentivos fiscais do Governo do Estado e da Prefeitura.