Índice de trabalhadores em “home office” cresce 18% em MS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

home office

Mato Grosso do Sul tinha em maio cerca de 75 mil trabalhadores em casa durante o mês de maio. O índice saltou para 89 mil pessoas, aumento de 18,6%, em junho.

O índice representa 8,4% dos 1,17 milhão de ocupados no Estado, de acordo com a PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Covid-19, 9a menor taxa do Brasil.

Em relação às pessoas ocupadas e na informalidade, o Estado apresentou queda e agora tem cerca de 370 mil nessa situação.

A pesquisa também mostrou o número de pessoas ocupadas e não afastadas do emprego, mas que tiveram as horas de trabalho reduzidas por causa da pandemia da covid-19 em junho. Em Mato Grosso do Sul, 27 mil pessoas tiveram redução da carga horária. Em maio eram 26 mil.

Por outro lado, 289 mil ocupados e não afastadas continuaram suas jornadas normalmente durante a pandemia.

Em relação ao rendimento médio, o valor recebido por mês completo de trabalho foi de R$ 2.307.

De acordo com o levantamento, em junho, 307 mil pessoas ocupadas tiveram rendimento efetivo menor do que o normalmente recebido antes da pandemia. O dado é 2% maior do que o mês anterior e representa 26,4% do total de ocupados.