Com cortes na segurança e reforço na saúde, Reinaldo a sanciona orçamento 2021

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on print

Com cortes na segurança pública e na saúde, o Governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), sancionou nesta sexta-feira (18) a Lei Orçamentária Anual (LOA) para o exercício de 2021. De acordo com a lei, a segurança terá perda de R$ 406,8 milhões (22,50%), já a saúde terá um aditivo de R$ 52 mil (3,36%).  

Ainda conforme o texto publicado em edição extra do Diário Oficial do Estado (DOE-MS) de hoje, o orçamento total é estimado em R$ 16,8 bilhões. Segundo o órgão, a lei leva em consideração valores de receita e de despesa.

“O projeto ainda prevê os impactos da pandemia da Covid-19, mas também a expectativa de recuperação econômica”, diz assessoria do Governo.

Conforme a legislação, o orçamento fiscal é referente aos Poderes do Estado, seus fundos, órgãos e entidades da Administração Direta e Indireta, incluídas as fundações instituídas ou mantidas pelo Poder Público.

A receita decorrerá da arrecadação de tributos e de outras receitas correntes e de capital. Já a despesa será realizada por categoria econômica e por órgão público.

Por meio da LOA, é possível saber quais serão os investimentos de 2021 em políticas públicas das áreas de infraestrutura, saúde, educação e segurança pública.

PPA

Também na edição extra do DOE-MS desta sexta-feira (18), o Governo publicou a Lei n° 5.617 que aprova a primeira revisão do Plano Plurianual (PPA) para o período de 2020/2023.

O Plano estabelece as diretrizes, objetivos e as metas da Administração Pública Estadual, estruturado em programas a serem executados no período divulgado, contendo seus objetivos, indicadores, iniciativas e ações de forma regionalizada.

Aumento nos assassinatos

Segundo a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), o Mato Grosso do Sul registrou um aumento de 73% no número de assassinatos neste ano, se comparado com o mesmo período de 2019. No entanto, os números não impediram o corte de 22,50% do orçamento que será aplicado na área em 2021, em comparação a 2020.