Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /srv/indicador-economico.2d4f01f4.configr.cloud/www/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52

Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /srv/indicador-economico.2d4f01f4.configr.cloud/www/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52

Warning: A non-numeric value encountered in /srv/indicador-economico.2d4f01f4.configr.cloud/www/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52

Warning: A non-numeric value encountered in /srv/indicador-economico.2d4f01f4.configr.cloud/www/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52

Cai o emprego em MS, mas Dourados lidera

Cai o emprego em MS, mas Dourados lidera

 

agripecuaria-emprego

Em MS a agropecuária liderou a geração de empregos em fevereiro, com criação de 664 postos. (Foto: Divulgação).

Dênes de Azevedo

Mato Grosso do Sul criou 1.124 empregos celetistas (com carteira assinada) em fevereiro. Foi um resultado um pouquinho melhor (0,22% a mais) que o de janeiro. Porém é o segundo pior fevereiros dos últimos 14 anos, só perdendo para o ano de 2005, quando o saldo foi de 1.039 empregos. Em relação aos municípios, Dourados lidera com a criação de 121 empregos.

Os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e emprego) foram divulgados nesta terça-feira. Em MS os setores de atividade econômica que mais contribuíram para o resultado positivo foram a Agropecuária (+664 postos), a Construção Civil (+568 postos), cujos saldos superaram a redução do emprego no setor da Indústria de Transformação (-244 postos) e Comércio (-188 postos).

Mato Grosso do Sul é um dos seis Estados que criaram empregos no Brasil em fevereiro, ficando em quinto lugar. Quem gerou emprego foi Rio Grande do Sul (6.070), Santa Catarina (4.793), Mato Grosso (3.683), Goiás (2.327) Mato Grosso do Sul (1.124) e Tocantins (88). O maior número de vagas fechadas foi no Rio de Janeiro (22.287).

Com relação aos municípios o ranking do Estado é liderado por Dourados, com saldo de 121 empregos. Resultado de 2.027 contratações e 1.906 demissões. Em segundo está Três Lagoas, com 120, em 3º Sidrolândia, com 95, em 4º Maracaju, com 88, e em 5º Campo Grande, com 80.

O ranking apresenta em 6º Rio Brilhante, com 56 empregos criados, em 7º Amambai, com 42, em 8º Ponta Porã, com 35, em 9º Naviraí, com 23, em 10º Nova Andradina, com 20 e em 11º Coxim, com 8.

Já três municípios fecharam postos de trabalho. Eles são, em 12º, Paranaíba, com -50; em

13º Corumbá, com -72 e em último lugar entre as cidades com mais de 30 mil habitantes, em 14º Aquidauana, com -80.

 

Setores em MS

Veja os empregos criados por setores da economia em MS:

– Agropecuária: 664

– Construção Civil: 568

– Serviços: 376

– Extrativa Mineral: 32

– Administração Pública: 7

– Serviços Industriais de Utilidade Pública: -27

– Comércio: -188

– Indústria de Transformação: -244

 

O emprego no Brasil

O Brasil fechou 104.582 vagas com carteira assinada em fevereiro. É pior resultado para fevereiro em 25 anos, desde o início da série histórica, em 1992. Foi o décimo primeiro mês seguido de cortes. A última vez que o país teve saldo positivo foi em março do ano passado (19,3 mil). No acumulado dos doze meses até fevereiro, são 1,71 milhão de postos de trabalho a menos.

Dos oito setores da economia, segundo a divisão do Ministério do Trabalho, o comércio teve o pior resultado.

– Agropecuária: -3.661 (-0,23%)

– Construção civil: -17.152 (-0,65%)

– Serviços: -9.189 (-0,05%)

– Administração pública: 8.583 (0,97%)

– Indústria de transformação: -26.187 (-0,34%)

– Serviços industriais de utilidade pública: -1.066 (-0,26%)

– Extrativa mineral: -390 (-0,19%)

– Comércio: -55.520 (-0,61%)

– Sudeste: -51.871 (-0,25%)

Os dados divulgados hoje pelo Ministério do Trabalho consideram apenas os empregos com carteira assinada. Existem outros números sobre desemprego apresentados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que são mais amplos, pois levam em conta todos os trabalhadores, com ou sem carteira. (Com informações do Uol).