Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4903 36042800 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5044 36985544 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4903 36042800 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5044 36985544 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4903 36042800 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5044 36985544 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402368 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403872 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.4903 36042800 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5044 36985544 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Vigilância Sanitária afirma que qualidade da água de Dourados é boa

Vigilância Sanitária afirma que qualidade da água de Dourados é boa

 

valdir-gasparotto

Fiscal do Núcleo de Vigilância Sanitária de Dourados, Valdir Sader Gasparoto. (Foto: A. Frota).

A água do Rio Dourados, que abastece maioria das residências da cidade, para consumo humano, está em nível satisfatório. É o que aponta o último laudo de qualidade da água feito pelo Núcleo de Vigilância Sanitária de Dourados. O padrão de referência, conforme portaria do Ministério da Saúde, é de 0,05 mg/L. Conforme o laudo, o resultado em Dourados constata abaixo do estabelecido, ficando num parâmetro “satisfatório”.

O fiscal do Núcleo de Vigilância Sanitária de Dourados, Valdir Sader Gasparoto, explica que dez vezes por ano são colhidas amostras da água diretamente dos cavaletes das residências. Ele explica que as mostras são colhidas aleatoriamente em residências de diversos bairros. As últimas amostras foram coletadas nos bairros Santo André, Jóquei Clube e a ETA (Estação de Tratamento de Água da Sanesul, na saída para Caarapó.

Depois de recolhidas, as amostras são envidas para o Laboratório Central (Lacen), em Campo Grande. Este, através de um convênio com o Ministério da Saúde, envia as amostras para Laboratório Evandro Chagas, no Pará, onde são feitas as análises das coletas feitas pela prefeitura.

Chegando o resultado em Dourados, a Vigilância Sanitária envia cópias para os ministérios públicos federal e estadual. Também faz o registro no Sisagua (Sistema de Informação de Vigilância da Qualidade da Água para consumo humano), do Ministério da Saúde.

As análises são feitas obedecendo  um cronograma de monitoramento de agrotóxicos na água para consumo humano, conforme prevê a Secretaria Estadual de Saúde. Dourados, Chapadão do Sul, São Gabriel do Oeste e Cassilândia, foram às cidades escolhidas e são obrigadas a fazer as análises durante o ano.

De acordo com Valdir Sader, é muito importante fazer esse monitoramento para se ter certeza da qualidade da água oferecida a população. A análise traz os resultados microbiológicos (bactérias, fungos e vírus) e fisioquímicos (Ph, cor e turbidez). Exceto, a análise feita pela prefeitura, a Sanesul, também faz a própria análise.

“A análise da água é um dos trabalhos de prevenção de maior importância realizados pela Vigilância Sanitária, que visa garantir a redução das enfermidades transmitidas pela água de consumo humano”, diz.