Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5084 35469144 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5237 36397424 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5084 35469144 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5237 36397424 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5084 35469144 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5237 36397424 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0001 402304 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0002 403808 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.5084 35469144 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.5237 36397424 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Vândalos depredam placas de trânsito em Dourados

Vândalos depredam placas de trânsito em Dourados

 

 

placas-depredacao-1610-01

Vandalismo ainda é alto em Dourados e destruição de placas de trânsito gera prejuízos e pode provocar acidentes. (Foto: Assecom/Arquivo).

Mesmo com fiscalização e campanhas de conscientização constantes, são grandes os casos de depredação de placas de sinalização vertical de trânsito em Dourados. Por conta do vandalismo a Prefeitura precisa repor em torno de 20 placas por dia, o que gera grande prejuízo aos cofres públicos.

A diretora de Trânsito da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito) da Prefeitura de Dourados, Fabiane Amorim, afirma que a Agetran e a Guarda Municipal fiscalizam e realizam constantes campanhas de conscientização para tentar por fim à depredação, mas os casos persistem.

Diante da dificuldade de se obter sucesso com os adultos, há um esforço com as crianças. Na Semana do Trânsito, por exemplo, a Agetran montou uma encenação na praça Antônio João mostrando os dois caminhos do trânsito, o da educação e o sem lei. No caminho sem lei as crianças entenderam o perigo de um trânsito com sinalização deficiente provocada pelo vandalismo.

Esse trabalho de conscientização, cuidado no trânsito e orientação para a preservação dos bens públicos é feito regularmente nas escolas públicas e particulares. “É uma ação constante para que as crianças cresçam conscientes e no futuro respeitem e preservem o patrimônio público e ajudem a construir um trânsito mais seguro”, diz Fabiane.

Ao mesmo tempo, a Agetran desenvolve um trabalho de conscientização nas empresas, cumprindo a sua função de não somente fiscalizar, mas também preparar as pessoas para respeitem a sinalização e se solidarizem em todos os aspectos para que o trânsito seja cada vez mais seguro.

A Prefeitura pede que as pessoas de bem ajudem a fiscalizar a depredação das placas de trânsito. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 3428 2776. Quando se tratar de fragrante a pessoa pode ligar diretamente na Guarda Municipal, no telefone 193. A pessoa também pode usar o telefone celular para filmar o ato de depredação, encaminhando o arquivo para a Guarda Municipal, Polícia Civil ou Polícia Militar.

Destruir placas de sinalização das vias públicas é crime, previsto no Artigo 163 do Código penal Brasileiro. A pena prevista é detenção de um a seis meses ou multa.

A Prefeitura de Dourados usa um sistema de sinalização ecológico e mais durável, justamente para economizar recursos públicos. No entanto todo o esforço acaba parando na prática irresponsável da depredação.

Inclusive a montagem das placas é feita pela própria Agetran nesse processo de redução de custos. É comprado o poste ecológico, feito com materiais compostos, as placas de aço e os adesivos e os servidores da Agetran fazem a montagem. “Esse processo faz com que o custo por placa seja bem menor”, explica Fabiane.

A grande maioria das placas destruídas são as de Pare e em seguida vem as de quebra-molas. A parte da placa mais danificada é o poste, que geralmente é quebrado pelos vândalos. Apesar de ser feito de material composto, que é bem mais resistente que a madeira, mesmo assim os vândalos conseguem quebrá-lo. (Da Assessoria).