Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3016 8740288 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3119 9256168 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3016 8740288 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3119 9256168 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3016 8740288 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3119 9256168 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3016 8740288 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3119 9256168 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Valorização da pecuária de corte aquece busca por terras em todo o país para criar bezerros

Valorização da pecuária de corte aquece busca por terras em todo o país para criar bezerros

 

 

pecuaria-bezerros

Cresce o negócio da criação de bezerros no Brasil. (Foto: Fazenda Veredas).

A valorização da pecuária de corte nos últimos anos, com preços em alta e crescimento das exportações, também vem trazendo reflexos na área dos imóveis rurais. Com o domínio dos grãos, especialmente da soja, parte dos terrenos reservados para a atividade de criação de gado foi destinada para lavouras, mas a procura por terras para a produção de terneiros vem aumentando.

De acordo com o diretor da imobiliária Trajano Silva, do Rio Grande do Sul, Gonçalo Silva, com este aquecimento do mercado, o setor de imóveis rurais da empresa vem recebendo diversas sondagens de clientes que buscam novas áreas para a criação. “Temos recebidos inúmeras consultas para terras para a pecuária. Nos últimos anos a procura era para a lavoura, mas no ano passado tivemos uma mudança grande para a atividade da criação na pecuária de corte”, salienta.

Conforme o dirigente, estes novos investidores estão procurando no gado de corte um negócio com rentabilidade. “Estamos com uma oferta grande, com mais de 150 áreas por todo o Sul do Brasil, e muitas delas vão trocar de mãos. Empresários estão entrando no setor do agronegócio e áreas de famílias tradicionais estão trocando de dono”, observa.

Silva revela que a maioria dos interessados estão buscando comprar terras até pela dificuldade de achar no mercado arrendamentos disponíveis devido a uma grande procura por áreas. “O arrendamento é quase que diário, mas está muito difícil de achar terras. Quando se abre uma área logo um amigo ou vizinho arrenda a mesma num piscar de olhos. Algumas famílias mais tradicionais colocam na ponta do lápis e o arrendamento tem sido uma garantia de retorno sem preocupação”, avalia. (Do Agrolink/Famasul).