Temendo desabastecimento por pandemia, produção rural de MS mantém ritmo

Temendo desabastecimento por pandemia, produção rural de MS mantém ritmo

colheita

Propriedades rurais em Mato Grosso do Sul seguem em atividade durante a pandemia do novo coronavírus. De acordo com o Governo do Estado, os locais adotaram medidas sanitárias aos trabalhadores, que seguem trabalhando na normalidade.

O funcionamento foi mantido por dois fatores. O primeiro é que o ambiente rural já proporcionaria, de acordo com o Governo, isolamento necessário e pouca aglomeração. Segundo, funcionários estariam adotando as medidas sanitárias preventivas.

De acordo com o presidente do Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Mauricio Saito, seguir com as atividades rurais significa seguir com a produção de alimentos e impedir o desabastecimento – um dos temores após o início da pandemia e das recomendações por isolamento.

 “Os produtores rurais mantêm as atividades em pleno funcionamento, adotando todas as medidas sanitárias recomendadas pelos órgãos oficiais quanto ao coronavírus. Assim, os empregos também têm sido mantidos”, declarou.

Segundo ele, as atividades rurais se caracterizam por proporciona segurança por si só, mas também houve intensificação das medidas sanitárias, com base nas orientações do Ministério da Saúde.

“Naturalmente, dentro da porteira, a segurança é maior porque o fluxo de pessoas é menor, o que facilita, de certa forma, o controle do risco de contaminação. Neste momento, os cuidados com regramentos sanitários estão ainda mais intensos, com os produtores atentos às diretrizes do Ministério da Saúde, com atenção redobrada à saúde dos colaboradores diretos e indiretos”, avalia Saito.

Segundo o Governo do Estado, a compreensão da importância do meio rural tem que estar acompanhada da percepção do impacto do coronavírus em todos os elos econômicos. e reforça que a necessidade do equilíbrio produtivo e o acompanhamento do quadro de oferta e demanda.

“As propriedades rurais de uma maneira geral vão se manter produzindo. Acompanhamos em Mato Grosso do Sul, por exemplo, várias delas trabalhando com uma série de medidas protetivas ao trabalhador, com limitação de entrada e de saída de pessoas na área de produção, com protocolos específicos para os caminhoneiros ao carregar ou descarregar insumos e produtos”, declarou o secretário de Gestão Estratégica, Eduardo Riedel.