Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3468 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3577 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3468 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3577 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3468 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3577 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401032 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0001 401304 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3468 8739440 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3577 9255320 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Taxas sobre energia solar podem ser barradas, avalia Fiems

Taxas sobre energia solar podem ser barradas, avalia Fiems

energia-solar-fotovoltaica-1

O presidente da Fiems (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen, avalia que existe um otimismo entre os empresários de que existe uma possibilidade de barrarem as taxas sobre a energia solar. Sobre o tema, disse que considerou positiva a decisão do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, uma proposta que abre brecha para mudanças.

 “O almirante Bento Albuquerque comprometeu-se em atender os pleitos dos pequenos e microprodutores de energia solar, uma medida proposta pelo deputado federal Beto Pereira (PSDB)”, destacou Longen. A expectativa é que haja uma revisão da resolução fixada pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).Ele ainda ponderou a necessidade de uma discussão sobre a regulamentação da geração de energia fotovoltaica. “O deputado (Beto Pereira) me garantiu que a Aneel encerra a oitiva no dia 30 de dezembro deste ano e que nada será feito até que se reúna a Bancada Federal do Estado junto com o ministro no fim de fevereiro de 2020”, ponderou.

A expectativa é que seja criada um novo alinhamento sobre a produção. “A conversa está bem alinhada e teria início a cobrança de impostos a partir da geração de 5 megawatts”, descreveu. Ainda citou que a tendência é que os grandes consumidores poderão comprar energia das concessionárias de outros estados. “Isso com certeza trará redução de custos da produção”, avaliou.