Retração na soja e desvalorização do real freiam exportações no Estado

Retração na soja e desvalorização do real freiam exportações no Estado

soja

De janeiro a outubro deste ano, as exportações de Mato Grosso do Sul somaram US$ 4,397 bilhões (R$ 17,6 bilhões, na cotação atual), segundo dados da Secex/MDIC (Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior).

O valor representa queda de 10,28% se comparado com igual período do ano anterior, quando o comércio sul-mato-grossense com o exterior somou US$ 4,881 bilhões. Em dólares, foram exportados US$ 483,9 milhões a menos.

Na avaliação da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar de Mato Grosso do Sul), a desvalorização da moeda brasileira em relação ao dinheiro estadunidense ajuda a explicar o recuo na movimentação com vendas a países estrangeiros.

Conforme carta de conjuntura emitida pela pasta, o real foi desvalorizado em 8,74% quando analisada taxa de câmbio média entre outubro de 2018 e do ano corrente.

Em toneladas, o volume embarcado para o exterior por Mato Grosso do Sul também apresentou redução. De janeiro a outubro deste ano foram 12,9 bilhões de toneladas, contra 13,1 bilhões de toneladas de idêntico intervalo de tempo em 2018.

A queda mais significativa foi na exportação de soja em grãos, com retração de 43,35% no valor negociado e de 35,88% no volume despachado.

A commodity respondeu por 23% das exportações nos dez primeiros meses deste ano. Em 2018, dava conta de 36,7%.

Em participação, a soja fica atrás apenas da celulose, dona de 37,84% do mercado sul-mato-grossense com o exterior. Na contramão, o produto cuja indústria está concentrada em Três Lagoas movimentou US$ 1,663 bilhão até outubro, aumento de 10,1% no comparativo com o ano passado (US$ 1,510 bilhão).

Superávit – Diante da soma do valor importado, de US$ 1,879 bilhão até agora em 2019, o superávit na balança comercial de Mato Grosso do Sul alcançou US$ 2,517 bilhões.

O resultado é 3,22% inferior ao verificado entre janeiro e outubro de 2018, quando o Estado comprou do exterior US$ 2,280 bilhões.