Warning: Use of undefined constant ‘imagem - assumed '‘imagem' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3311 9094704 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3408 9545576 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: Use of undefined constant noticias’ - assumed 'noticias’' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3311 9094704 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3408 9545576 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3311 9094704 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3408 9545576 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106 Warning: A non-numeric value encountered in /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php on line 52 Call Stack: 0.0000 401096 1. {main}() /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:0 0.0000 401368 2. require('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/index.php:17 0.3311 9094704 3. require_once('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-blog-header.php:19 0.3408 9545576 4. include('/home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-content/themes/IndicadorEco_2_0/single.php') /home/indicadoreconomico.com.br/public/wp-includes/template-loader.php:106

Produção brasileira de etanol está “no limite” de sua capacidade, diz ANP

 

Com o crescimento expressivo das vendas no ano passado, o mercado brasileiro de etanol chegou ao limite de sua capacidade de produção, avalia a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis). No ano passado, a demanda por etanol hidratado subiu 37,5% e atingiu 17,6 bilhões de litros, o maior volume da história.

Segundo o superintendente adjunto de Abastecimento da ANP, Rubens Freitas, em seminário sobre o desempenho do mercado de combustíveis em 2015, a explosão nas vendas do combustível no ano passado deveu-se a três fatores principais: os aumentos do preço da gasolina, a volta da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre os derivados de petróleo e políticas estaduais de redução de impostos do etanol. Os três movimentos contribuíram para melhorar a competitividade do etanol frente à gasolina.

“Está dada nossa capacidade de ofertar etanol. Acima disso, só com ampliação dos investimentos em novas usinas ou com novas tecnologias de produção”, diz Rubens Freitas. Além disso, ele acrescentou a pouca demanda por açúcar no mercado mundial, o que levou os produtores de etanol a optar pela produção de combustíveis.

Para 2016, a ANP acredita que o mercado permanecerá equilibrado, mas há preocupação com o momento em que a economia voltar a crescer, disse Freitas.

Neste caso, além de alta nos preços do combustível, o Brasil pode ter que ampliar as importações de gasolina. O déficit na compra deste combustível caiu à metade entre 2012 e 2015, atingindo no ano passado 1,86 bilhão de litros. (Fonte: Folha de São Paulo, 02/03/2016).